Vôlei feminino do Brasil é medalha de ouro em Pequim

Seleção vence a decisão contra os EUA por 3 sets a 1 e pela primeira vez está no lugar mais alto do pódio

Rafael Vergueiro, estadao.com.br

23 de agosto de 2008 | 10h45

Koji Sasahara/APPEQUIM - Jogadoras brasileiras comemoram a conquista da inédita medalha de ouro olímpicaSÃO PAULO - Após a frustração em Atenas/2004, a seleção brasileira feminina de vôlei finalmente apagou a 'mancha' deixada há quatro anos e conquistou neste sábado os Jogos Olímpicos de Pequim. Em uma partida difícil e emocionante, a equipe bateu os Estados Unidos na grande final por 3 sets a 1, com parciais de 25/15, 18/25, 25/13 e 25/21 e ficou com a medalha de ouro.Veja também:Wallpaper: 800x600 1024x768 1280x1024  Direto de Pequim - Eduardo Maluf comenta conquista história do vôlei femininoA campanha brasileira na Olimpíada de Pequim Galeria de fotos da conquista inédita Este time amarela sim, mas é 'amarelo-ouro', diz Zé Roberto Fofão e Fabi são escolhidas entre as melhores do vôlei feminino  Sheilla chora e elogia força do grupo após conquista do ouro Mari diz que ouro é resposta para os críticos Zé Roberto: único campeão entre eles e elasEsta é a primeira vez na história que o vôlei feminino do Brasil sobe no lugar mais alto do pódio em Olimpíadas. As outras duas medalhas conquistadas foram de bronze, em Atlanta/1996 e Sydney/2000.A campanha da equipe brasileira na Olimpíada pode ser considerada perfeita. O time terminou a competição com 100% de aproveitamento com oito vitórias - foram 24 sets vencidos e apenas um perdido, justamente para os EUA na decisão.O técnico da seleção, José Roberto Guimarães, tem ainda mais motivos para comemorar. Ele entra no grupo seleto de brasileiros bicampeões olímpicos, pois conquistou no comando da seleção masculina o título em Barcelona/1992 (ao lado dele estão Maurício e Giovanne, do vôlei masculino, os velejadores Robert Scheidt, Torben Grael e Marcelo Ferreira, e o triplista Adhemar Ferreira da Silva).Na campanha brasileira, podem ser destacadas jogadoras como Mari, Paula Pequeno e a veterana Fofão. No entanto, a principal atleta nos momentos decisivos foi Sheilla, que já havia jogado bem na semifinal contra a China e neste sábado foi o melhor desafogo do Brasil nos momentos complicados.FINALO jogo decisivo deste sábado contra os EUA foi emocionante. O primeiro set começou muito equilibrado, com os dois times cometendo poucos erros. No entanto, aos poucos, o Brasil encontrou seu melhor jogo e logo abriu cinco pontos de vantagem.Confiantes, as jogadoras brasileiras passaram a defender bem e encaixar todos os contra-ataques. A maioria das bolas ficava nas mãos de Sheilla, que quase sempre colocava com facilidade no chão. Com isso, a equipe fechou a primeira parcial com Paula Pequeno.Já no segundo set a seleção sentiu um pouco o peso da decisão. As norte-americanas, que jogavam como franco-atiradoras, ganharam confiança e aproveitaram o nervosismo das brasileiras para abrir uma boa vantagem e não perdê-la.Quase todos os saques dos EUA vinham sobre Mari, que falhava na recepção e teve que ser substituída por Jaqueline em sua passagem no fundo de quadra. Dessa maneira, as norte-americanas caminharam com tranqüilidade até o fim do set.Após a 'bronca' do treinador, o Brasil voltou a se concentrar e fez um terceiro set praticamente perfeito. Sem dar chance para os EUA, as brasileiras defenderam muito bem e logo abriram uma vantagem de sete pontos.Mari, que voltou a ter uma boa atuação, foi a responsável por fechar o set.Já o quarto set foi certamente o mais dramático dos Jogos Olímpicos. Com garra, os Estados Unidos não deixaram que a superioridade brasileira fizesse valer em muitos momentos e a parcial seguiu equilibrada até os pontos finais.No entanto, o melhor vôlei do Brasil apareceu quando o jogo estava empatado em 20 a 20. Com dois belos bloqueios, fundamento que a seleção utilizou com muita eficiência durante todo o confronto, a equipe chegou ao ponto de ouro.No último lance, a equipe de Zé Roberto contou com o erro das adversárias, que jogaram a bola para fora. As brasileiras vibraram e choraram muito com a conquista, já que a derrota em 2004 ainda estava entalada na garganta.MEDALHAS DO BRASIL NO VÔLEIPrata - Los Angeles/1984: masculinoOuro - Barcelona/1992: masculinoBronze - Atlanta/1996: femininoBronze - Sydney/2000: femininoOuro - Atenas/2004: masculinoOuro - Pequim/2008: femininoCAMPANHA PERFEITAAtual campeã do Grand Prix, a seleção brasileira de vôlei chegou à Olimpíada com o peso do favoritismo. No entanto, ao contrário do que havia acontecido há quatro anos, a equipe demonstrou muita concentração, já que estava focada em um único objetivo: a sonhada medalha de ouro.A estréia contra a fraca Argélia foi fácil (3 a 0) e o primeiro desafio de verdade foi a Rússia. No entanto, sem tomar conhecimento das atuais campeãs do mundo, o Brasil 'atropelou' as adversárias e venceu por 3 a 0 sem levar sequer mais de 16 pontos em nenhuma das parciais.No terceiro jogo, contra a Sérvia, as comandadas de Zé Roberto mais uma vez passearam em quadra. Apenas no terceiro set o time se desconcentrou um pouco, mas o triunfo foi incontestável.Após ganhar com facilidade de mais um time fraco, o Casaquistão, a seleção decidiu o primeiro lugar do grupo B contra a Itália. Em um confronto em que o bloqueio brasileiro esteve impecável, mais um 3 a 0.A boa colocação nas preliminares fez o Brasil pegar o fraco Japão nas quartas-de-final. Após passar desta fase, veio o difícil confronto contra a China, atual campeã olímpica. No entanto, mostrando a força do grupo, após passar com dificuldade pelo primeiro set a seleção não teve dificuldades para impor mais um 3 a 0.FESTAApós a conquista deste sábado, as brasileiras fizeram muita festa. Diante das câmeras, a líbero Fabi e Mari mandaram um recado aos críticos, fazendo sinal de silêncio para aqueles que diziam que a equipe 'amarelava' nas horas decisivas, principalmente após a derrota em 2004.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.