Vou chegar no recorde mundial, diz César Cielo

Nadador brasileiro diz estar preparado para buscar uma medalha no Jogos Olímpicos de Pequim

Pedro Fonseca, REUTERS

08 de maio de 2008 | 18h18

Ao contrário do discurso moderado que normalmente toma conta dos atletas em preparação para competições importantes, o nadador César Cielo tem na autoconfiança declarada uma arma para atingir os objetivos que vê a sua frente. O paulista de 21 anos vai disputar em Pequim a primeira Olimpíada da carreira. Apesar de estar em quinto lugar no ranking mundial, ele garante que vai brigar pelo recorde mundial dos 50 metros livre com o francês Alain Bernard e o australiano Eamon Sullivan -- que trocaram quebras neste ano. O trio também deve repetir o duelo nos 100m, prova em que Cielo tem o terceiro melhor tempo de 2008, atrás dos rivais.  "Estou esperando uma briga muito dura na Olimpíada, não tenho mais dúvida de que estou indo para baixar bastante o meu tempo. Eu pretendo brigar com os melhores e lutar por uma medalha", disse o nadador, que conversou com a Reuters no intervalo das provas do Troféu Maria Lenk, no Rio de Janeiro, nesta quinta-feira. REUTERS: Você está hoje entre os melhores velocistas do mundo, como acha que será a disputa dessas provas na Olimpíada de Pequim? CIELO: O cenário mudou um pouco ultimamente. Os americanos ficaram bem para trás da gente, agora são os franceses e o australiano que estão no topo da prova de livre, então vai ser uma briga dura. Sei que a gente está um pouquinho à frente dos outros, mas o australiano está um pouquinho à frente da gente também. Então ele deve ser o maior adversário na competição, mas acho que o psicológico vai fazer muita diferença. REUTERS: Você é uma pessoa que demonstra ser bastante autoconfiante, de que forma isso ajuda nas competições? CIELO: Nós velocistas temos uma personalidade agressiva mesmo, aquela coisa de ficar bravo, ficar feliz, então eu não tento esconder não, acho que é a da minha natureza, essa autoconfiança, e isso pode me ajudar. Para mim funciona, eu não faço isso para tentar impressionar ninguém, é para mim mesmo, para chegar para nadar sabendo o que eu posso fazer. REUTERS: A prova olímpica ficou mais difícil para você com esses recordes quebrados este ano com o novo maiô (o LZR Racer, da Speedo, que foi utilizado por Bernard e Sullivan)? CIELO: Sempre estive no mesmo nível desse pessoal. Eles deram uma baixada agora, mas eu ainda não tive a chance de nadar em piscina longa, então eu não vejo por que não chegar e fazer a mesmo coisa que eles fizerem. Vejo que estou totalmente na briga. REUTERS: Você tem mais chances nos 50m ou nos 100m? CIELO: Com certeza vou brigar nos dois. Nos 50m, tenho certeza que estou bem melhor do que era antes. Ontem (quarta-feira) fiz o tempo só seis centésimos acima do meu melhor -- Cielo venceu a prova do Maria Lenk com 21s90, ante seu recorde pessoal de 21s84 -- e estou no meio de treinamento. Tenho certeza que na hora que eu raspar o corpo, fizer o descanso adequado, devo estar chegando bem perto do recorde mundial, quem sabe até batendo. E para os 100m livre também estou com uma expectativa muito boa. REUTERS: Você se sente pressionado para conquistar uma medalha para a natação brasileira, depois que o país não subiu ao pódio em Atenas-2004 na natação? CIELO: Há um pouco de peso, mas estamos divididos dessa vez. O Kaio (Márcio Almeida), o Thiago (Pereira) e o Nicholas (Santos) estão bem também, então a gente divide em esse peso. Acho que o cenário mudou bastante de 2004 para cá, em 2004 a gente celebrava cada índice feito, e aqui já tem o pessoal que fez o índice e que está muito mais forte que o índice. A gente não está indo só para fazer final, acredito que esse time está indo para pegar mais de uma medalha. REUTERS: Vai usar o LZR Racer na Olimpíada? CIELO: Vou com o que tiver de melhor na hora. Na minha prova, um centésimo é muito tempo. Ainda estou decidindo qual roupa vai ser, mas com certeza será uma dessas novas. Cielo tem competido com o maiô da empresa européia TYR, mas o Brasil é patrocinado pela Speedo, fabricante do LZR.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.