Divulgação
Divulgação

Zanardi troca de pista e segue atrás de títulos

Italiano que perdeu as pernas em prova da F-Indy em 2001 agora é candidato a medalha no paraciclismo

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2016 | 05h00

O italiano Alessandro Zanardi ficou conhecido no mundo inteiro pela velocidade. Disputou 41 GPs de Fórmula 1 na década de 1990 e teve um período de maior sucesso na Indy, onde foi campeão em 1997 e 1998. Foi nessa categoria que, em 2001, sofreu um grave acidente no circuito oval de Lausitz, na Alemanha. Perdeu muito sangue, precisou ser reanimado sete vezes e acabou com as pernas amputadas. Sobreviveu.

Zanardi voltou às pistas pilotando carros de turismo adaptados e desde 2007 é atleta do paraciclismo - parou com os carros em 2014. Três vezes medalhista em Londres-2012, ele começa nesta quarta-feira a disputa dos Jogos do Rio-2016 para repetir o feito.

O italiano disputa a prova de ciclismo de estrada H5, na Praia do Pontal, na zona oeste. O atleta foi campeão dessa prova e da disputa contrarrelógio há quatro anos, além de ser medalhista de prata no revezamento. No Rio, irá disputar as mesmas provas querendo retornar ao pódio.

Zanardi chegou na sexta-feira, se hospedou na Vila Paralímpica e gostou do que viu. "O clima que se respira na Vila é fantástico. Percebe-se que algo grande está acontecendo aqui". Animado, ele garante estar pronto para a disputa. Nos últimos meses, intensificou os treinos. São de duas a três horas por dia, seis vezes por semana. O treinamento conta com a supervisão do técnico Mario Valentini. "Ele exige de mim o que preciso fazer, nem mais, nem menos. Sabe me dizer o que preciso ouvir. Ninguém faz nada sozinho na vida", disse Zanardi.

HISTÓRIA

O acidente que quase custou a vida do ex-piloto completará 15 anos nesta quinta. Zanardi liderava a prova em Lausitz quando perdeu o controle do carro, atravessou o gramado e foi parar no meio do traçado de alta velocidade. O carro de Alex Tagliani atingiu em cheio a lateral de Zanardi, que teve o veículo partido em dois. A velocidade era de cerca de 300 km/h.

A corrida foi interrompida, e o piloto perdeu muito sangue. "Fui reanimado 7 vezes, fiquei sem sangue. De acordo com a ciência, eu não tinha nenhuma chance de sobreviver", recordou o italiano. "Mesmo assim, aqui estou. Tive muita sorte de ter sido assistido por pessoas maravilhosas. Eu só fiz o que tinha que fazer, que era sobreviver aqueles 15 minutos sem sangue. Não existem palavras para explicar minha recuperação."

Ele também se adaptou bem à vida após o acidente. "Antes eu me perguntava o que faria se algo assim acontecesse. A resposta que eu me dava era que eu ia me matar. Mas, quando aconteceu comigo, isso não veio à minha cabeça. Estava feliz de estar vivo. Sabia que o pior já tinha passado", disse. Zanardi, que hoje é um dos principais nomes do paraciclismo. Assim como em outros tempos, é pela velocidade que o mundo o conhece.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.