Zé Roberto diz que derrota de 2004 é inútil em nova semifinal

O técnico da seleção brasileira de vôleifeminino, José Roberto Guimarães, afirmou nesta terça-feira queseu time está preparado para enfrentar qualquer adversário nassemifinais dos Jogos de Pequim e afirmou que da derrotatraumática em Atenas, há quatro anos, "não se aproveitaabsolutamente nada". O treinador, falando depois de seu time ter derrotado o"chato" time do Japão por sets 3 a 0 nesta terça-feira, afirmouque a experiência do Brasil por ter perdido seis match pointscontra a Rússia na semifinal dos Jogos passados não tem comoser equiparada à situação de seu time atualmente. "Não tem como comparar Atenas com agora. Em 2004 a gentepegou um grupo fraco e só fomos pegar os Estados Unidos nasquartas-de-final, e neste ano a gente começou em uma chaveforte e estamos nas semis", disse Zé Roberto. O técnico lembrou que da atual equipe apenas metade das 12jogadoras -- Fabiana, Fofão, Mari, Walewska, Valeskinha e Sassá-- estavam na Olimpíada de Atenas, com algumas delas muitojovens. "A Fabiana, por exemplo, tinha 19 anos e hoje está maisexperiente e eu estou tranquilo porque vejo que o time estátranquilo", afirmou. Caso seja a Rússia o adversário que o Brasil pegará nasemifinal, o time de Zé Roberto deve enfrentar o mesmo estilode jogo e posicionamento da partida anterior entre as equipes,vencida pela seleção por 3 a 0, na primeira fase da Olimpíada. Na fase inicial do torneio, a Rússia perdeu três e ganhouduas partidas. A outra possível adversária é a seleção chinesa,atual campeã olímpica. "A Rússia não vai ter nada de diferente. Vai ser o que foino outro jogo. Se eles mudarem, eles se suicidam porque nãoterão tempo para treinar mudanças de sistema. A China podemudar, mas só as peças (jogadoras)", disse Zé Roberto. Ele acrescentou que uma eventual pressão da torcida chinesalotando o Capital Gymnasium não é motivo de preocupação. "A torcida deles é educada, tranquila", disse o técnico. Perguntado se a atual campanha vitoriosa de sua equipe, semnenhum set perdido na Olimpíada, poderia tornar difícil para otime brasileiro sair atrás de algum resultado nas duas últimaspartidas em Pequim, o treinador respondeu que as meninas "estãopreparadas para qualquer coisa. Hoje elas estão prontas". (Edição de Pedro Fonseca)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.