Zika pode se espalhar para quatro novos países por Olimpíada, diz EUA

Entidade americana, porém, diz que isso representa um baixo risco mundial

Jamil Chade, correspondente em Genebra, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2016 | 14h32

Uma avaliação conduzida pelo Centro de Controle de Doenças dos EUA indicou que os riscos de uma maior proliferação do zika vírus por conta dos Jogos Olímpicos no Rio são baixos. Mas, para quatro países, o contato de seus atletas e dirigentes com um local onde existe a epidemia pode representar uma ameaça. A Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou o estudo americano. 

Segundo o levantamento, um total de 19 países que não tem hoje a presença do zika vírus teriam as condições ideais para um surto, se a doença for importada dos Jogos Olímpicos por seus atletas e delegações. Mas em apenas quatro deles, o risco é substancial: Iemen, Chade, Djibouti e Eritrea. 

O levantamento foi feito a partir de uma série de fatores, como viagens entre o Rio e diversos países pelo mundo e diante da presença do mosquito vetor da doença. 

A constatação é de que esses quatro países hoje tem uma relação praticamente inexistente com outros países com o vírus. Apenas uma dezena de pessoas de cada um desses locais irá ao Brasil para os Jogos. Mas isso já seria suficiente, nesses casos, para que a doença seja importada para locais "virgens".

O CDC aponta que isso não significa que surtos vão surgir nesses novos países. Mas, ainda assim, alerta para o risco. 

No mês passado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) deixou claro que não recomendaria a suspensão dos Jogos, como pediram um grupo de cientistas. Para a entidade, realizar ou não o evento não teria um impacto na disseminção do zika vírus pelo mundo.  

Ainda assim, cerca de 20 jogadores de golfe anunciaram que estavam desistindo de ira o Rio e muitos usaram o zika como argumento. Outros atletas, porém, alertaram que a desistência não tinha qualquer relação com a doença. Mas com a falta de prêmios financeiros no evento e o desinteresse pela competição entre os jogadores de golfe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.