Reprodução
Reprodução

Anderson Silva pediu luta com Cormier no UFC 200 para se desafiar

'Spider' admite que não estava treinando intensamente, mas acredita estar em boa forma. Aldo e Amanda Nunes disputam cinturão

Rafael Pezzo, O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2016 | 01h28

Assim como muitos dos nocautes de Anderson Silva, a notícia de que ele lutaria no UFC 200 também foi surpreendente. Horas depois de Jon Jones ser cortado por mais um resultado positivo em exame antidoping, na quinta-feira, o próprio brasileiro se adiantou à organização e anunciou nas redes sociais que viajaria a Las Vegas para enfrentar Daniel Cormier, atual campeão dos meio-pesados, no evento deste sábado. 

Antes do UFC Fight Night de quinta, Dana White negara qualquer acerto ou conversa com Silva. No entanto, após o fim do evento, o dono do UFC apareceu em um vídeo ao lado de Anderson para anunciar o combate. Na mesma noite, o brasileiro e White concederam entrevista coletiva sobre a decisão. 

A luta entre Jones e Cormier serviria para unificar o títulos dos meio-pesados, o que não acontecerá com a escalação Anderson Silva. Ainda que "Spider" lute pelos médios (até 84 kg), o confronto deste sábado valerá pela categoria de Cormier (até 93 kg). Na pesagem realizada nesta sexta-feira, o brasileiro subiu na balança para 90 kg, contra 93,6 kg do rival. 

Na coletiva na madrugada desta sexta-feira, Anderson admitiu que não estava treinando com tanta intensidade, mas ainda assim pediu para ser escalado contra Cormier. "Não quero que Daniel (Cormier) ou qualquer outro pense que estou subestimando ou desafiando o campeão. Não estou aqui para nenhuma das duas coisas. Estou aqui para me desafiar. Não tenho treinado tanto nos últimos meses, mas acredito estar em boas condições de fazer uma grande luta."

"É um grande desafio lutar neste evento. Claro que queria estar lutando pelo cinturão da minha categoria, mas estou aqui. É um grande desafio após tudo que fiz, depois de vitórias e derrotas", completou. 

MAIS BRASILEIROS

Com a desistência de Jon Jones, a luta principal do UFC 200 será a disputa de cinturão dos galos femininos entre Amanda Nunes e Miesha Tate. Esta será a primeira defesa do título da norte-americana desde que destronou Holly Holm, em março. A brasileira vai para sua sexta luta no UFC e acumula apenas uma derrota desde a estreia, em agosto de 2013. Situação comum entre os homens, Tate teve que tirar toda a roupa e ser coberta por uma toalha para conseguir bater o peso nesta sexta-feira. 

O Brasil ainda disputará outro cinturão no card principal do evento. Depois de perder o títulos dos penas de forma surpreendente para Conor McGregor, em dezembro de 2015, José Aldo voltará ao Ultimate para tentar o título interino da categoria, contra Frankie Edgar. 

UFC 200

9 de julho de 2016, Las Vegas, Estados Unidos

CARD PRINCIPAL (a partir de 23h de Brasília)

Galo: Miesha Tate x Amanda Nunes

Pesado: Brock Lesnar x Mark Hunt

Meio-pesado: Anderson Silva x Daniel Cormier

Pena: José Aldo x Frankie Edgar

Pesado: Cain Velásquez x Travis Browne

CARD PRELIMINAR (a partir de 20h de Brasília)

Galo: Cat Zingano x Julianna Peña

Meio-médio: Johny Hendricks x Kelvin Gastelum

Galo: TJ Dillashaw x Raphael Assunção

Leve: Sage Northcutt x Enrique Marin

Leve: Diego Sanchez x Joe Lauzon

Médio: Gegard Mousasi x Thiago Marreta

Leve: Jim Miller x Takanori Gomi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.