Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

Anderson Silva publica foto acorrentado e questiona ódio e ganância 

Publicação não faz referência ao movimento Black Lives Matters, apesar do lutador já ter se posicionado a favor

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de junho de 2020 | 11h47

O lutador de UFC Anderson Silva manifestou-se em sua redes sociais contra o ódio e a ganância. O brasileiro publicou uma foto, em seu perfil oficial do Instagram, na qual aparece acorrentado e gritando. O lutador fez uma série de questionamentos sobre desejos exacerbados dos seres humanos, que, segundo ele, não se valem de nada, já que “não podem ser levados conosco quando formos embora".

A publicação, feita nesta quarta-feira (03), não faz menção aos protestos antirracistas do movimento Black Lives Matters, iniciados após o assassinato de George Floyd durante uma abordagem policial, embora Anderson já tenha se posicionado a favor da causa, na última terça-feira (02).

Spider seguiu a mesma linha de outros lutadores negros do UFC. Jon Jones e Israel Adesanya também se manifestaram contra o racismo. O nigeriano, campeão dos pesos-médios, discursou durante uma manifestação na Nova Zelândia, enquanto Jones aderiu ao movimento “Blackout Tuesday” e disse que “como negro também estava frustrado”. Jones foi às ruas de Albuquerque, nos Estados Unidos, para "proteger" a cidade de vândalos. 

Confira a publicação do lutador (traduzida para o português):

Alguns queriam um emprego melhor, outros, apenas um emprego.

Alguns queriam mais uma refeição; outros, apenas uma refeição.

Alguns queriam uma vida mais pacífica, outros, apenas viver.

Alguns queriam pais mais esclarecidos, outros apenas ter pais.

Alguns queriam ter olhos claros, outros apenas ver.

Alguns queriam ter uma voz bonita, outros apenas falar.

Alguns queriam silêncio, outros apenas ouvir.

Alguns queriam sapatos novos, outros apenas ter pés.

Alguns queriam um carro, outros apenas andar.

Alguns queriam supérfluos, outros, apenas o que necessário.

Alguns só queriam ser tratados com igualdade e respeito, outros apenas desejam individualidade, ódio e indiferença

A questão que permanece é que, se diante de Deus somos todos iguais e nada levamos deste mundo material, e se nada vale o poder da riqueza e bens materiais ... Então, por que tanto ódio e tanta luta pelo poder, tanta destruição e matança? Isso me intriga, porque é uma pergunta que devemos fazer olhando no espelho ... Como pode tanto ódio e tanta ganância por um mundo que não pode ser levado conosco quando formos embora?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.