Site Oficial / CBJ
Site Oficial / CBJ

Após derrota, judoca Rafaela Silva pede apoio para disputa por equipes

Campeã olímpica foi eliminada na estreia no Mundial de Budapeste pela portuguesa Telma Monteiro

O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2017 | 18h05

Depois de ter sido superada em sua primeira luta da categoria 57kg no Mundial de Budapeste, nesta quarta-feira, a judoca Rafaela Silva pediu apoio para a disputa por equipes mistas, no domingo. Com a derrota desta quarta-feira, a campeã olímpica nos Jogos do Rio está fora da briga individual por medalhas.

"O ciclo está apenas começando. É o primeiro Campeonato Mundial. Ainda temos a participação por equipes. Estou torcendo pelos meus atletas. Amanhã (quinta-feira), estarei no aquecimento com a Katleyn Quadros (vai disputar a categoria meio-médio, até 63 kg). Torcida e energia para a gente trazer essa medalha por equipes", diz Rafaela.

Rafaela Silva foi superada pela portuguesa Telma Monteiro, bronze na Olimpíada do ano passado. Ela triunfou diante da brasileira após pontuar com um wazari em um contragolpe.

"Consegui evoluir desde a última luta diante dessa adversária, no Grand Slam de 2014. Eu não tinha conseguido lutar, mas desta vez, eu consegue arriscar alguns golpes. Infelizmente, eu errei numa entrada de golpe e fui precipitada. Infelizmente, sofri um contragolpe. Eu consegui encaixar uma chave de braço. Tentei, até o último segundo, mas ela segurou na honra", conta a campeã olímpica.

O Brasil conquistou apenas uma medalha neste Mundial de Judô. O pódio veio com Érika Miranda que levou a medalha de bronze na categoria até 52kg com uma vitória sobre a atual campeã olímpica e bicampeã mundial Majlinda Kelmendi, do Kosovo, na terça-feira. 

Nesta quinta-feira, o Brasil volta a competir com três judocas na Hungria: Victor Penalber (81kg), medalhista de bronze no Mundial de Astana-2015; Eduardo Yudi, estreante em um Mundial e que luta na mesma categoria de Penalber; e Ketleyn Quadros (63kg), medalhista olímpica em Pequim-2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.