Lee Smith/Reuters
Lee Smith/Reuters

Astro do boxe, Fury volta atrás e diz que aposentadoria era brincadeira

Dono de cartel com 25 lutas e 25 vitórias brincou com a situação: 'Vocês pensaram que iam se livrar do Rei Cigano assim tão fácil?'

Estadão Conteúdo

03 Outubro 2016 | 12h38

Detentor de três cinturões mundiais dos pesos pesados no boxe, Tyson Fury anunciou nesta segunda-feira, por meio de uma postagem no Twitter, que está se aposentando do esporte. A notícia caiu como uma bomba na imprensa internacional, mas horas depois ele revelou que tudo não passava de uma brincadeira sem graça.

"O boxe é a coisa mais triste da qual eu já participei. Tudo é um monte de m... Eu sou o melhor e estou aposentado. Então vão chupar um p... Tenham bons dias", escreveu o boxeador no Twitter, às 8h55 pelo horário de Brasília.

Depois, às 11h51, quando a notícia já estava espalhada pelo mundo todo, ele voltou atrás. "Hahahahaha. Vocês pensaram que iam se livrar do Rei Cigano assim tão fácil? Estou aqui para ficar. 'O Maior' apenas mostrou a vocês como a imprensa é", postou. Em seguida, avisou que assim que estiver melhor, vai defender seus cinturões.

Fury, que tem carreira profissional com 25 lutas e 25 vitórias, sendo 18 por nocaute, venceu em novembro do ano passado Wladimir Klitschko, encerrou a dinastia dos irmãos ucranianos entre os pesos pesados e faturou os cinturões da Organização Mundial de Boxe (WBO), da Organização Internacional de Boxe (IBO), da Associação Mundial de Boxe (WBA) e da Federação Internacional de Boxe (IBF).

Ele, depois, perdeu o cinturão da IBF por se recusar a enfrentar Vyacheslav Glazkov, como mandava a organização, para marcar uma financeiramente atraente revanche contra Wladimir Klitschko. A luta seria em 9 de julho, mas foi cancelada no dia 24 de junho, quando Fury alegou ter sofrido uma lesão.

No mesmo dia, ele o primo dele, o também boxeador Hughie Fury, foram acusados pela agência britânica antidoping de falhar em teste de doping, o que ambos negam. Há duas semanas, ele voltou a adiar a luta, que seria no fim de outubro, dizendo que não está medicamente pronto. Uma reportagem da ESPN americana, porém, noticiou que ele testou positivo para cocaína e, por isso, está afastado dos ringues.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.