Jonne Roriz/Exemplus/COB
Jonne Roriz/Exemplus/COB

Bolinha tem a chance de repetir feito do avô Servílio de Oliveira 50 anos depois

Luiz Gabriel de Oliveira disputa a medalha de bronze nos Jogos Olímpicos da Juventude

Paulo Favero, enviado especial a Buenos Aires, O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2018 | 05h01

Luiz Gabriel de Oliveira tem a chance de, 50 anos depois, repetir o feito de seu avô em uma edição olímpica. Em 1968, Servílio de Oliveira ganhou a medalha de bronze nos Jogos da Cidade do México. Foi o primeiro pódio olímpico do boxe. Agora, seu neto vai tentar o terceiro lugar nesta quarta-feira, às 13h15, em Buenos Aires, nos Jogos da Juventude, na mesma modalidade.

Ontem, Bolinha, como é conhecido, perdeu para o tailandês Sarawut Sukthet por 4 a 1 na decisão dos juízes. "Meu adversário ficou me agarrando o tempo todo e não consegui fazer a luta. Mas paciência, isso faz parte e agora meu foco é o bronze. Quero muito conquistar essa medalha para homenagear o meu avô", comentou o rapaz.

Aos 17 anos, Bolinha foi o porta-bandeira do Brasil nos Jogos Olímpicos da Juventude e era cotado para chegar à decisão, até porque recentemente foi bronze no Mundial júnior. Mas enfrentou um rival experiente, que conseguiu pontuar nos dois primeiros rounds para a maioria dos juízes. No terceiro assalto, o brasileiro foi nitidamente superior, mas perdeu soma da pontuação.

"Foi uma luta dura entre o campeão asiático e o campeão da América. O atleta tem de estar acostumado com a vitória, mas também com a derrota. Faz parte, é natural. Agora é levantar a cabeça e partir para a medalha de bronze", disse Mateus Alves, técnico da equipe brasileira de boxe em Buenos Aires.

A decisão do terceiro lugar na categoria até 52 kg será contra o irlandês Dean Patrick Clancy, que perdeu para o britânico Ivan Price, algoz de Bolinha nas semifinais do Mundial júnior. Após a derrota, o brasileiro recebeu o carinho dos pais e da namorada e prometeu lutar pelo bronze. "Nossa família é muito ligada ao boxe. O bronze seria uma honra", explicou Ivan de Oliveira, pai do atleta.

EM BUSCA DO OURO

Quem vai tentar o lugar mais alto do pódio é Keno Marley, que vai disputar a final da categoria até 75 kg contra o argelino Farid Douibi, da Argélia. O duelo será nesta quarta-feira às 19h15. "Agora eu vou em busca da medalha de ouro. Estou contente, consegui controlar a ansiedade e agora quero vencer novamente na final", avisou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.