Mário Palhares / B4Y
Mário Palhares / B4Y

Boxe brasileiro retoma posição de destaque no cenário internacional

Pugilistas nacionais vão disputar título, defender cinturão e fazer lutas que podem colocá-los em novo patamar internacionalmente

Wilson Baldini Jr., O Estado de S. Paulo

17 de setembro de 2020 | 05h00

O boxe brasileiro está de volta ao cenário internacional. Até o fim do ano, a nobre arte nacional vai ter uma defesa de título mundial, a chance de uma nova conquista de cinturão, a disputa de uma cinta norte-americana e talvez uma eliminatória para alcançar o topo da carreira.

Poucas vezes na história o pugilismo brasileiro esteve em momento tão positivo. A situação atual faz lembrar a década de 70, quando o Brasil tinha dois campeões mundiais (Eder Jofre e Miguel de Oliveira); os anos 80/90, com Adilson Maguila Rodrigues, Chiquinho de Jesus, Claudemir Carvalho Dias e Peter Venâncio; ou o início deste século, com Acelino Popó Freitas e Valdemir Sertão Pereira ostentando títulos mundiais e George Arias com belas lutas entre os cruzadores e pesos pesados.

Desta vez, o momento é de Patrick Teixeira, Adriana Araújo, Esquiva Falcão e Robson Conceição. O quarteto tem compromissos importantes no pós-pandemia. Campeão mundial dos médios-ligeiros, versão Organização Mundial de Boxe, Patrick defende pela primeira vez o cinturão em novembro, nos EUA, contra o argentino Brian Castaño, número um do ranking da OMB. Data e local devem ser definidos nos próximos dias.

“Estou pronto para fazer uma grande apresentação. Eu me cuidei neste período parado e tenho certeza de que continuarei campeão”, disse Patrick, campeão desde novembro e com cartel de 31 vitórias (22 nocautes) e uma derrota.

Medalhista de bronze na Olimpíada de Londres-2012, Adriana Araújo vai voltar à capital inglesa, dia 4 de outubro, para tentar o título dos pesos superleves do Conselho Mundial de Boxe, que está vago, diante da britânica Chantelle Cameron. “Vou voltar para a minha segunda casa (risos). Não vou perder a oportunidade”, disse a lutadora baiana, que também é candidata a vereadora em Salvador pelo DEM. Ela soma seis vitórias consecutivas.

Campeão olímpico na Rio-2016, Robson Conceição também chega a um ponto decisivo de sua invicta carreira de 14 vitórias ao enfrentar o americano Adam Lopez pelo título norte-americano, versão Federação Internacional de Boxe, em 17 de outubro. Uma vitória coloca o pugilista baiano no ranking da FIB e como um dos desafiantes ao título mundial. 

A luta Robson x Lopez será a preliminar de Vasyl Lomachenko x Teofimo Lopez, pelo cinturão unificado dos pesos leves, em Las Vegas, um dos duelos mais esperados do ano.

Já o também invicto Esquiva Falcão, ranqueado nas quatro grandes entidades que dirigem o boxe no mundo, pode ter nos próximos dias um acerto para fazer uma eliminatória por título mundial na categoria dos médios. A expectativa é que o brasileiro tenha uma revanche diante do japonês Ryota Murata, que o derrotou na final olímpica em Londres 2012. “Luto contra qualquer um. Chegou minha hora de ser campeão mundial”, disse o lutador capixaba, dono de 27 vitórias como profissional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.