Fávio Perez/On Board Sports
Fávio Perez/On Board Sports

Brasil tem a geração mais promissora na luta por título no boxe

Irmãos Esquiva e Yamaguchi Falcão têm condições de virar desafiantes ao cinturão

Wilson Baldini Jr., O Estado de S. Paulo

08 de julho de 2017 | 07h00

O boxe brasileiro não tem um campeão mundial há dez anos desde a derrota de Acelino Popó Freitas, que perdeu para o norte-americano Juan Diaz. Ao mesmo tempo, o esporte que já teve o inigualável Eder Jofre nunca esteve com tantos representantes em condições de buscar um cinturão.

Os irmãos Esquiva e Yamaguchi Falcão, medalhistas de prata e bronze na Olimpíada de Londres-2012, são os representantes nacionais com mais condições de disputar um título em médio prazo. Os dois estão invictos. Yamaguchi, que soma 13 vitórias, é o 20.º colocado no ranking dos pesos médios do Conselho Mundial de Boxe. Teoricamente, com mais duas ou três vitórias importantes poderá se aproximar das primeiras colocações e se tornar um desafiante do campeão mundial.

Seu irmão mais novo, Esquiva, já chegou a ocupar o 15.º lugar entre os médios da Federação Internacional de Boxe. Caiu na lista, mas poderá retornar em caso de um novo triunfo dia 5 de agosto, na Califórnia. Também precisa de embates significativos para se credenciar a enfrentar os melhores.

Os dois têm as carreiras administradas pela empresa Top Rank, de Bob Arum, assim como William Silva, que perdeu pela primeira vez após 23 vitórias em fevereiro do ano passado. Seu adversário foi o porto-riquenho Felix Verdejo, um dos astros da categoria dos leves. Ele pode retornar aos ringues ainda este ano.

Robson Conceição, campeão olímpico ano passado no Rio, soma três vitórias. Sua carreira entre os pesos superpenas vem sendo tratada com muito carinho pela Top Rank. Ele volta a lutar em 21 de julho, em Porto Rico.

Patrick Teixeira, que tem contrato com a Golden Boy Promotions, de Oscar De La Hoya, treina há dois meses em Las Vegas para a luta de 29 de julho. O paranaense chegou perto de uma disputa de título, mas acabou derrotado pelo norte-americano Curtis Stevens, em maio do ano passado.

Everton Lopes, campeão mundial amador em 2011, se recupera de lesões nos dois braços e deve voltar a lutar ainda este ano. O baiano é apontado como um dos boxeadores mais técnicos entre os leves.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.