Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Brasileiros dão show no UFC em São Paulo e miram cinturões

Vitor Belfort, Glover Teixeira e Thomas Almeida saíram com vitórias por nocaute do octógono montado no Ginásio do Ibirapuera

Paulo Favero e Rafael Pezzo, O Estado de S. Paulo

08 de novembro de 2015 | 05h42

Com o ginásio do Ibirapuera lotado, em São Paulo, as principais estrelas brasileiras do MMA deram um show no UFC Fight Night 77 e levantaram o público com vitórias convincentes. Nas principais lutas da noite, Vitor Belfort, Glover Teixeira e Thomas Almeida ganharam seus combates e ainda sonham com o cinturão de suas categorias.

A luta principal foi entre os veteranos Vitor Belfort e Dan Henderson, no terceiro duelo entre eles, com uma vitória para cada lado. A luta começou bastante estudada, apenas com Henderson buscando alguns chutes na perna do brasileiro. Belfort, então, deu fim à calmaria e acertou um chute no rosto do norte-americano, e depois deu socos até o combate ser paralisado aos dois minutos e sete segundos do primeiro round.

"Ele me acertou com um chute, mas eu caí, tentei me recuperar, mas o árbitro encerrou o combate. O resultado foi justo", lamentou "Hendo". Vitor, por sua vez, agradeceu à torcida brasileira, sua equipe e sua família, incluindo a mulher Joana, que estava presente no ginásio e festejou muito a vitória. "Ir devagar era a estratégia desde o início. Ele estava esperando que eu fosse partir para cima com muita intensidade. Esperei o momento certo e ataquei. Tive paciência. O que eu não fiz na última luta, fiz agora."

Glover Teixeira não deu a menor chance para Patrick Cummins e massacrou o adversário até conseguir o nocaute técnico, com a interrupção do combate. O resultado coloca o mineiro novamente em rota de colisão com o cinturão da categoria meio-pesado. "O plano era esse mesmo, de nocauteá-lo no segundo round.  O Patrick é um oponente duro, difícil de derrubar, aguentou sequências duras de socos nas lutas anteriores, mas eu sabia que, com paciência, eu só precisava esperar a hora certa para vencer", disse.

Com um show de nocautes, Thomas Almeida e Alex Cowboy levantaram o público no ginásio do Ibirapuera. Lutando em casa, Thominhas não deu chance para Anthony Birchak e manteve a invencibilidade, agora de 21 lutas. "Quem o UFC mandar para mim, estarei pronto. Quero ser o melhor", avisou o brasileiro.

Ele ficou bastante emocionado com os gritos da torcida. "Ainda não caí na real do que aconteceu. Me preparei muito, me dediquei muito.  Essa luta tinha um algo a mais, por ser em São Paulo, me deu uma motivação maior, uma pressão minha em mim mesmo, estou muito feliz e emocionado por ter na minha equipe as pessoas que eu amo e que me ajudaram a conquistar essa vitória."

Já Alex "Cowboy" Oliveira venceu o polonês Piotr Hallmann com um belo nocaute no 3º round. O resultado deu novo ânimo ao atleta, que vem de duas vitórias no UFC. "Passei um sufoco, mas consegui virar o jogo.  Estava preparado, pedi proteção para Deus e saí vitorioso", comemorou Cowboy.

Dois brasileiros, no entanto, perderam no início do card principal. Fabio Maldonado não teve chances diante de Corey Anderson, que usou as quedas para desgastar o rival. "Treinei de tudo no meu camp, mas o que mais fez a diferença foi o wrestling.  Até acertei alguns socos nele ali na grade, mas eu tinha a vantagem do wrestling e eu a usei", disse Anderson.

Na sequência, o russo Rashid Magomedov não deu chances para Gilbert "Durinho" Burns e quase nocauteou no segundo round, mas o duelo acabou indo para a decisão dos juízes, que deram vitória unânime para o russo. "Ele é um adversário duro, mas meu treinamento funcionou", explicou Magomedov.

O destaque do card preliminar foi Gleison Tibau, que teve uma vitória tranquila por finalização sobre Abel Trujillo e avisou que pretende superar a marca de Tito Ortiz de 27 lutas no UFC. Tibau chegou a 26 combates, assim como Frank Mir, que também ainda está em atividade. "São 17 vitórias na história do UFC, estou ansioso para quebrar esse recorde de lutas", disse o brasileiro, para delírio dos fãs.

Quem também mostrou serviço foi Thiago Tavares, que superou o cabeludo Clay Guida por finalização com apenas 39 segundos de luta. Na pesagem, os dois trocaram provocações, e quando venceu, Tavares desabafou e não quis cumprimentar o rival. "Quero agradecer a todos que acreditaram no meu trabalho. Eu era o azarão nessa luta, mas eu tenho o melhor  jiu-jítsu da categoria", afirmou o lutador, que completa 31 anos neste domingo.

Prêmios. Quatro lutadores foram indicados pela organização para ganhar o bônus de US$ 50 mil pelas chamadas "Performances of the Night": Vitor Belfort, Thominhas Almeida, Alex "Cowboy" e Thiago Tavares. 

RESULTADOS DO UFC FIGHT NIGHT 77

CARD PRINCIPAL

Vitor Belfort venceu Dan Henderson por nocaute técnico aos 2min07s do 1º round

Glover Teixeira venceu Patrick Cummins por nocaute técnico a 1min12s do 2º round

Thomas Almeida venceu Anthony Birchak por nocaute aos 4min24s do 1º round

Alex 'Cowboy' Oliveira venceu Piotr Hallmann por nocaute aos 51s do 3º round

Rashid Magomedov venceu Gilbert 'Durinho' Burns por decisão unânime (30-27, 30-27, 30-27)

Corey Anderson venceu Fábio Maldonado por decisão unânime (30-27, 30-27, 30-27)

CARD PRELIMINAR

Gleison Tibau venceu Abel Trujillo por finalização a 1min45s do 1º round

Johnny Case venceu Yan Cabral por decisão unânime (29-28, 29-28, 29-28)

Thiago Tavares venceu Clay Guida por finalização aos 39s do 1º round 

Chas Skelly venceu Kevin Souza por finalização a 1min56s do 2º round

Viscardi Andrade venceu Gasan Umalatov por decisão unânime  (30-27, 30-27, 29-28)

Jimmie Rivera venceu Pedro Munhoz por decisão dividida  (29-28, 28-29, 29-28)

Matheus Nicolau venceu Bruno Korea por finalização aos 3min27s do 3º round

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.