Reuters
Reuters

Cerca de 15 mil pessoas comparecem ao funeral de Muhammad Ali

Primeira parte da despedida do tricampeão dos pesos pesados foi uma cerimônia muçulmana chamada Jenazah

Gonçalo Junior, Estadão Conteúdo

09 de junho de 2016 | 14h38

O funeral do boxeador Muhammad Ali começou oficialmente no início da tarde desta quinta-feira na cidade de Louisville, nos Estados Unidos. Cerca de 15 mil pessoas participaram da cerimônia muçulmana chamada Jenazah, a primeira parte da despedida do tricampeão dos pesos pesados morto na semana passada em razão de complicações respiratórias do Mal de Parkinson. O evento durou cerca de 40 minutos e contou com a presença do presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, e pugilistas famosos, como Sugar Ray Leonard. Na sexta-feira, será realizada a procissão pela cidade e o culto ecumênico.

Jenazah, palavra árabe que significa funeral, é um ritual muçulmano tradicional simples e relativamente curto. Líderes religiosos fizeram leituras em árabes do Alcorão, livro sagrado dos muçulmanos. Em outros momentos, foram feitos elogios à vida e à carreira do boxeador, o que deu um tom político e humanitário ao evento.

Pessoas de todas as partes do país, especialmente muçulmanos, se concentraram no local desde as primeiras horas da manhã. Algumas começaram a chegar por volta das 7h, cinco horas antes do início da cerimônia.

Um dos objetivos de Ali, que planejou diretamente seu funeral, foi conquistado: o evento foi aberto a todas as religiões. Existiam pessoas com as vestimentas tradicionais muçulmanos, mas também calças jeans, camisas e calças. Compareceram brancos e negros. Os celulares foram responsáveis por registrar o momento histórico. Quase todas as pessoas estavam com os braços esticados para gravar ou fotografar a cerimônia.

O Freedom Hall é um local importante na história de Ali. Foi ali que ele disputou - e venceu - sua última luta em sua terra natal, em 29 de novembro de 1961.

Batizado como Cassius Clay em 1942, na época da segregação racial, o boxeador se tornou muçulmano em 1964, mudando seu nome para Muhammad Ali em uma conversão que chocou os Estados Unidos. Para milhões de muçulmanos, Ali simboliza o rosto pacífico e tolerante do Islamismo.

"Muhammad Ali tem uma importância muito especial para a comunidade muçulmana. Devemos dizer adeus a ele da melhor forma que pudermos, honrar sua memória, seguir seu caminho e amar uns aos outros como ele desejava", disse o imã Zaid Shakir, líder espiritual de Ali que conduziu a cerimônia.

Tudo o que sabemos sobre:
Muhammad Ali

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.