Steve Marcus/Reuters
Steve Marcus/Reuters

Conor McGregor é liberado após ser preso por tentativa de agressão sexual

Lutador saiu da prisão sem ser acusado formalmente pela autoridades de Córsega, região da França

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2020 | 18h38

O irlandês Conor McGregor, ex-campeão do UFC, foi preso na última quinta-feira sob suspeita de tentativa de agressão sexual na Córsega. Neste sábado, ele foi liberado sem ser acusado formalmente pela autoridades desta região da França.

"Após uma queixa apresentada em 10 de setembro, denunciando eventos que poderiam ser classificados como tentativa de agressão sexual e exposição sexual, Conor Anthony McGregor foi alvo de uma audiência perante os serviços da polícia, como detido", escreveu a promotoria da cidade da Bastia, capital da Córsega, em declaração transmitida à AFP.

A advogada do lutador, Emmanuelle Ramon, disse à AFP que seu cliente "foi libertado antes do fim legal do período de detenção e sem qualquer processo judicial" após a denúncia apresentada contra Conor, descrita por sua representante legal como "abusiva".

A assessoria de imprensa do lutador emitiu um comunicado a partir dos Estados Unidos indicando que McGregor negava "categoricamente toda acusação de mau comportamento".

Conor McGregor, de 32 anos, havia anunciado sua aposentadoria do esporte em junho, depois de ter anunciado em outras duas ocasiões, em 2016 e 2019. Mas nessas duas vezes ele desistiu da ideia.

Grande nome do UFC, Conor McGregor é um dos lutadores mais populares e bem pagos da história, um íconeda organização. Pelo Ultimate, ele deteve o título dos penas de 2015 a 2016 e o título dos leves de 2016 a 2018. Sua popularidade disparou quando ele participou de uma polêmica luta de boxe contra a lenda americana Floyd Mayweather, em agosto de 2017, onde recebeu um ótimo pagamento e registrou um aumento de sua fama apesar da derrota./Com informações da AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.