Paulo Pinto/CBJ/Divulgação
Paulo Pinto/CBJ/Divulgação

David Moura se garante na semifinal e Baby disputa repescagem no Mundial de Judô

Brasileiros brigam por medalha na categoria pesado (+100kg) em Budapeste ainda neste sábado

Estadão Conteúdo

02 de setembro de 2017 | 09h42

Depois de Mayra Aguiar conquistar o bicampeonato mundial na sexta-feira, os brasileiros mantiveram o bom desempenho neste sábado no Mundial de Judô, que está sendo realizado em Budapeste, na Hungria. Na categoria pesado masculino (+100kg), David Moura foi à semifinal e Rafael Silva, o Baby, vai disputar a repescagem e brigar pelo bronze.

Líder do ranking mundial e cabeça-de-chave número um, David estreou na segunda rodada e venceu o sérvio Zarko Culum por ippon, após aplicar uma chave de braço. Depois, por um wazari, ele superou o bielo-russo Aliaksandr Vakhaviak e o mongol Tuvshinbayar Naidan, vice-campeão olímpico em Londres 2012 e campeão em Pequim no meio-pesado (até 100kg), chegando à sua segunda semifinal de Mundial. Seu adversário será o húngaro Barna Bor.

Rafael Silva também teve bom desempenho, mas acabou derrotado nas quartas pelo bicampeão olímpico Teddy Riner, da França. Antes, porém, ele havia superado Ushangi Kokauri, do Azerbaijão, por ippon; Daniel Natea, da Romênia, por um wazari; e Faicel Jaballah, da Tunísia, por ippon. Bronze nos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016, Baby enfrenta na repescagem o austríaco Daniel Allerstoffer.

Os demais brasileiros que lutaram neste sábado foram eliminados. Luciano Corrêa (até 100kg) empatou sem pontuações ou punições no tempo normal de sua luta de estreia, contra o britânico Benjamin Fletcher, mas perdeu no golden score por um wazari.

No feminino, Maria Suelen Altheman (+78kg) até estreou com vitória sobre a argelina Sonia Asselah, por ippon, mas acabou eliminada nas oitavas pela chinesa Song Yu, atual campeã mundial. As finais da categoria pesado masculino ocorrem ainda neste sábado.

Tudo o que sabemos sobre:
LutasJudôRafael Silva

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.