Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Fenômeno Teddy Riner conquista o ouro no Grand Slam de Brasília

Francês peso-pesado derrota o brasileiro David Moura ao aplicar um ippon aos 20 segundos de luta

Felipe Frazão / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2019 | 18h16

O judoca francês peso-pesado Teddy Riner venceu nesta terça-feira, dia 8, a etapa brasileira do Grand Slam de Judô, em Brasília. Ele conquistou a medalha de ouro ao derrotar na final o brasileiro David Moura, ao aplicar um ippon, o golpe perfeito, aos 20 segundos de luta.

Mesmo com a torcida a favor, Riner não se desconcentrou e projetou Moura de costas no tatame, no primeiro golpe que tentou. Depois, aplaudiu David Moura e foi comemorar e posar para fotos com fãs.

A “lenda” Riner pisou quatro vezes no tatame de Brasília para levar com tranquilidade o ouro da etapa brasileira do Grand Slam de Judô. Na rota por uma vaga na Olimpíada de Tóquio, em 2020,  ele agora ampliou a invencibilidade para 152 combates seguidos. Não perde há 9 anos.

Teddy tem um histórico de vitórias no Brasil. No Rio, ganhou dois títulos mundiais – em 2007, aos 18 anos, o primeiro da carreira, e em 2013 – e o ouro olímpico, em 2016.

Para descansar, Riner, de 30 anos, ficou pouco mais de um ano fora de competições e retornou em julho. Ele não disputava um Grand Slam desde 2013.

Quarto colocado no ranking mundial, o judoca Rafael Silva, o Baby, foi derrotado por estrangulamento na disputa pela medalha de bronze da categoria contra o russo Inal Tasoev, décimo colocado do ranking.

OURO E PRATA

Em final brasileira e confronto direto pela vaga nas Olimpíadas de Tóquio 2020, a judoca Beatriz Souza venceu a compatriota Maria Suelen Altheman na final da categoria pesado, com mais de 78 kg, do Grand Slam de Judô. O ouro de Beatriz Souza, de 21 anos, marcou a quebra de um tabu particular: ela perdera todas as quatro lutas anteriores contra a hoje medalhista de prata Maria Suelen Altheman, de 31 anos, duas vezes vice-campeã mundial, em 2013 e 2014.

“(A vitória) é meio que inexplicável, mostra estou no caminho certo. Tem muito chão pela frente na briga pela vaga.  Ela (Maria Suelen) é uma adversária muito dura, a gente sempre luta junto, é sempre 50% a 50%", disse Beatriz.

PRATA PARA BUZACARINI

O judoca brasileiro Rafael Buzacarini ficou com a medalha de prata nesta terça-feira, dia 8, ao perder para o japonês Kentaro Iida a final da categoria até 100kg do Grand Slam de Judô, em Brasília. A pouco mais de 1 minuto do fim do combate, Buzacarini foi projetado com um golpe perfeito de Iida, que venceu todas as lutas na etapa por Ippon.

O atleta do Clube Paineiras do Morumby (SP) segue em busca de pontuação para se classificar para as Olimpíadas de Tóquio, no Japão, no ano que vem. “Medalha em casa é uma experiência única. Um adversário duro, eu queira sair com o ouro, tem um gosto amargo”, afirmou Buzacarini.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.