Fury provoca Klitschko: 'Você deixou um gordo vencê-lo'

A luta vale o título mundial dos pesos pesados

Estadão Conteúdo

27 de abril de 2016 | 12h59

O britânico Tyson Fury tirou a sua camiseta, virou-se para o ucraniano Wladimir Klitschko, apontou para sua barriga e disparou: "Que vergonha, você deixou um homem gordo vencê-lo". Este foi apenas um dos muitos momentos de provocação e brincadeiras em uma entrevista coletiva recheada de palavrões, nesta quarta-feira, para promover a revanche entre os lutadores, que vale o título mundial dos pesos pesados, em 9 de julho.

Fury foi a estrela do evento. Tudo começou com ele dançando sob música com cheerleaders, em frente a Klitschko. Ela terminou com o britânico falando sobre como ele odeia o boxe, como ele preferia estar sentado em seu sofá comendo chocolate, e chamando a si mesmo de "piada".

Klitschko permaneceu por muitas vezes imóvel, balançando a cabeça para o que ele ouvia. O ucraniano disse ainda não acreditar que seu reinado de nove anos como campeão mundial dos pesos pesados terminou nas mãos de Fury, por decisão unânime dos árbitros, em luta realizada na Alemanha em novembro. Não por considerar que o britânico é um boxeador ruim, mas por não respeitá-lo como pessoa.

Extremamente polêmico, Fury já criticou o aborto, discorda abertamente da homossexualidade, fez comentários sexistas como "o melhor lugar de uma mulher está na cozinha e nas costas", além de ter afirmado que o doping deveria ser legalizado em todos os esportes para torná-los "totalmente justos".

Diante disso, Klitschko se declarou "constrangido" com Fury e lamentou lhe ter dado mais voz com a sua derrota. "Não concordo com o que sai da boca de Fury, suas declarações", disse o ucraniano nesta quarta-feira. "Por exemplo, que todos os homens e mulheres homossexuais e pedófilos pertencem no mesmo lugar, na cadeia, basicamente. Que todas as mulheres pertencem à cozinha e à sua parte traseira. De modo que é, basicamente, como ele vê Elton John e a rainha".

Klitschko acrescentou que ele quer ganhar a revanche "não apenas para mim, mas pelo povo e para melhorar reputação do campeão dos pesos pesados". Mas Fury, além de polêmico, é um lutador talentoso, que venceu todas as 25 lutas profissionais que disputou, com 18 nocautes. E no primeiro combate com o ucraniano, ele mal recebeu golpes.

"Você foi batido de forma justa pela primeira vez na Alemanha em seu próprio território em frente de todos o seu próprio povo, por quem gritou", disse Fury. "Você precisa ser de cerca de mil vezes melhor, porque você deu quatro socos em 12 rounds".

Klitschko disse que vai adotar uma estratégia diferente para a revanche. "Eu estava na forma física perfeita, mas mentalmente eu estava ausente", disse. "Eu estava indo para a luta passivamente. A luta foi perdida, mas não perdemos o lutador".

O ucraniano acompanhou no estádio o empate por 0 a 0 entre Manchester City e Real Madrid pela Liga dos Campeões, na última terça-feira, e declarou que 80% das pessoas pediram para ele bater Fury. "Eu encontrei tantas pessoas dizendo: 'Cara, o nocauteie, por favor. Eu não suporto ele'. Esta é a vingança para mim, não uma revanche".

Tudo o que sabemos sobre:
Tyson FuryWladimir KlitschkoLuta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.