Divulgação/ UFC
Divulgação/ UFC

Jéssica Andrade exalta adversária: 'Lutar com a Tecia Torres é uma honra'

Brasileira tem duelo marcado para este sábado, no UFC Orlando. nos Estados Unidos

Entrevista com

Jéssica Andrade

Andreza Galdeano, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2018 | 07h00

Buscando garantir prioridade na disputa do cinturão peso-palha do UFC, Jéssica Andrade encara mais um desafio na carreira. Desta vez, o combate será contra a americana Tecia Torres, em duelo marcado para este sábado, no UFC Orlando, nos Estados Unidos.

+ Leia mais sobre lutas

Atualmente número dois no ranking do Ultimate, a brasileira mostra concentração e evita provocações, afirmando que pretende continuar no topo e exaltando sua adversária: "Eu gosto de desafios e estou muito feliz com esse combate. Lutar com a Tecia Torres é uma honra, ela é uma lutadora incrível e muito forte. Vencer alguém que vem com tantas vitórias ajuda muito na carreira e vai me manter segura no ranking do UFC", conta em entrevista ao Estado.

 

Você vem de uma vitória sobre a brasileira Cláudia Gadelha. O quanto pode falar que evoluiu desde o último combate?

A minha parte técnica evoluiu muito e eu como ser humano também. Muitas pessoas se deixariam levar falando: 'Nossa eu ganhei da Claudinha, agora ganho de todo mundo'. Eu não. Cada luta é diferente, então continuo focada e bem preparada para todas as meninas. Eu cresci como pessoa, psicologicamente e na parte técnica.

 

O que você pode destacar da parte técnica?

Eu realmente melhorei bastante, tanto no jogo de chão, quanto no jiu-jítsu e na parte de trocação. Hoje consigo bater mais alinhada e continuo com a mesma força e velocidade. É um trabalho de treino, quando entrei na organização eu só tinha um ano e meio de treinamento. Hoje, posso dizer que sou uma atleta mais completa e que evoluiu da Claudinha para cá.

 

Como foi a preparação para encarar a Tecia Torres?

A minha preparação foi ótima, cada luta eu consigo uma menina para treinar. Desta vez realizei os trabalhos com a Jessica Delboni, que tem a mesma altura, já treinou taekwondo e é bem parecida com a Tecia Torres. Ela é forte e tem velocidade. Com certeza vou chegar bem preparada pra tudo que tiver que fazer.

 

Apresentou dificuldades para perder peso na reta final?

O último dia é o mais importante e mais triste também. Eu estou bem no peso, mas tive que perder cerca de quatro quilos para chegar na meta. Agora estou mais tranquila para me recuperar até o momento da luta.

 

A Tecia apresenta uma boa movimentação dentro do octógono, qual a sua estratégia para garantir a vitória?

Nós sabemos que a Tecia tem uma boa movimentação e usa bem as grades, então, acho que a estratégia é trocar. Mas, também sei que ela pode vir de encontro e querer uma trocação franca para ver quem realmente tem a mão mais pesada ou ela pode fazer o sentido de bater e caminhar para trás, fazendo eu caçar mais ela dentro do octógono e procurar o momento certo para dar o golpe certeiro. Essa vai ser a luta do golpe certeiro, quem acertar garante a vitória.

 

O que você acha mais perigoso no jogo da Tecia?

Estou focada e sei o que tenho que fazer, porém, acho que o mais perigoso seria ter que entrar no jogo dela. A Tecia conseguir caminhar e eu não me encontrar no estilo de jogo dela. Mas, estou bem preparada, treinei muito durante semanas e, se ela quiser, está tudo gravado aqui na minha mente, agora é só colocar em prática.

 

Enfrentar uma adversária que vem de três vitórias consecutivas assusta você?

Na minha opinião é bom a Tecia vir de três vitórias, é sinal de que ela é uma boa atleta. Eu gosto de desafios e estou muito feliz com esse combate. Lutar com a Tecia é uma honra, por ser uma lutadora incrível e muito forte. Vencer alguém que vem com tantas vitórias ajuda muito na carreira e vai me manter segura no ranking do UFC. Quanto mais bem ranqueada estamos, mais pedreiras vamos pegar, não tem jeito. Eu sempre vou ter que lutar com alguém vindo de três, quatro vitórias, forte, e assim vai. Tem que dar a cara tapa, tem que fazer o seu jogo, e tem que ir para cima.

 

Quais são os seus próximos planos depois do duelo deste sábado?

Depende muito do resultado. Eu vou para vencer e se Deus quiser voltarei com a vitória para casa. Contando com o resultado positivo, quem sabe eu não tenha a oportunidade de lutar pelo cinturão. Se isso não acontecer vou pedir para lutar com a Karolina Kowalkiewicz ou com quem perder a luta pelo cinturão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.