Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Jéssica Andrade explica tática para manter o cinturão: 'Fingir que não ganhei'

Lutadora do UFC deve voltar aos treinos nas próximas semanas e mira uma defesa do título para o último trimestre

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2019 | 16h37

Campeã do peso palha do UFC, a brasileira Jéssica Andrade sabe que agora estará na mira de toda a categoria para manter seu título. Ela venceu a antiga campeã Rose Namajunas no UFC 237, realizado no Rio de Janeiro, e agora reina como a melhor de sua categoria. Mas a atleta sabe que terá muito trabalho pela frente.

"O primeiro passo é fingir que nem ganhou o cinturão, que está sempre buscando. A maioria ganha e depois pensa que já ganhou e alguém vai ter que vir para tirar. Mas não é assim. Se eu quiser manter, tenho de fingir que não ganhei. Sei que agora vai ficar mais difícil, pois todo mundo vai olhar para mim com vontade de tirar o cinturão. Tenho de treinar em dobro e continuar sendo a mesma pessoa", disse, em entrevista ao Estado.

 

Ela agora está numa fase de descanso após lutar no dia 11 de maio pelo cinturão. Pretende ainda viajar um pouco e só depois voltar aos treinos, no início de forma mais lenta, depois já pegando ritmo de olho na defesa do cinturão. "Meu combinado com o mestre é voltar a treinar agora no mês de junho, fazer pelo menos um ou dois treinos por dia, antes de começar o pegadão. Acredito que outubro ou novembro já seja uma época muito boa para lutar", afirmou.

Jéssica não tem adversária ainda. É possível que sua rival saia do duelo entre Tatiana Suarez e Nina Ansaroff, que se enfrentarão neste sábado no UFC 238, em Chicago (Estados Unidos). "Se for enfrentar a vencedora do combate de sábado, provavelmente ela vai querer um tempo para descansar. Acredito que todos precisam de um tempo de treino para que chegue na hora da luta e possam dar o melhor. Não quero enfrentar ninguém que não esteja bem preparada porque aí vão falar que eu ganhei por causa de sorte e não é assim, é muito treino, muita dedicação", comentou.

A conquista do cinturão mexeu com sua vida. Ela festeja o fato de estar sendo mais tietada em público e costuma ser bastante atenciosa com os fãs. “Eu achava que muita gente não iria me conhecer, mas todo lugar que vou as pessoas me reconhecem. As pessoas pedem para tirar foto, perguntam do cinturão, está sendo bem legal.”

Com a vitória no UFC 237, Jéssica sabe que está deixando um legado no MMA feminino. Novas garotas, que vieram de cidades diferentes, já entraram em sua academia, a PRVT, e outras sonham seguir seus passos no octógono. “Foi muito sofrido para chegar ali e conquistar o cinturão, então está sendo muito bom ser a campeã”, revelou a atleta, que não se desgruda do seu cinturão.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.