Reproducao/ Twitter UFC Brasil
Reproducao/ Twitter UFC Brasil

Jon Jones aceita desafio de Tyson, mas coloca condição: 'no ringue e no octógono'

Boxeador, que voltará a lutar em breve, afirmou que lutador de MMA poderá ganhar muito mais dinheiro assim

Redação, Estadão Conteúdo

22 de junho de 2020 | 10h00

Mike Tyson ainda não anunciou contra quem irá luta em sua volta aos ringues, mas se quiser, já tem um oponente famoso à espera: o boxeador desafiou o lutador de MMA Jon Jones, que aceitou através das redes sociais, mas impôs a condição de que as lutas ocorreriam nos esportes dos dois.

Durante uma live nas redes sociais, Mike Tyson, de 53 anos, mandou um recado para Jon Jones, comentando sobre a recente discussão do campeão do UFC com Dana White quanto ao valor das bolsas pagas na principal organização do MMA.

"Veja bem, o UFC é mais popular que o boxe, certo? Mais audiência, certo? Mas um lutador do UFC nunca vai ser mais rico do que um lutador de primeira classe. Para fazer US$100 milhões (R$ 524 milhões), Conor McGregor teve que lutar com Floyd Mayweather. Jon Jones tem que lutar comigo se ele quiser fazer algum grande dinheiro", afirmou Tyson.

Jones respondeu através das redes sociais também, primeiro de forma sucinta. "Estou ouvindo", disse. Depois, estabeleceu a condição e provocou o antigo campeão de boxe. "Tyson, vou lutar boxe com você no ringue se você prometer que vai me dar uma luta de verdade no octógono em seguida. E, como eu te respeito muito, prometo que não vou te quebrar", brincou.

Tyson anunciou o retorno aos ringues em 24 de abril para arrecadar dinheiro para a caridade e, conforme os vídeos de treinos que já saíram nas redes sociais, aparenta estar em boa forma física. Diversos lutadores já foram especulados para enfrentá-lo, sendo que o rumor mais forte foi de uma terceira luta com Evander Holyfield, outra lenda do esporte que anunciou que voltará a lutar boxe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.