Jon Jones acusa UFC de deixar Belfort lutar dopado: 'Risco para minha vida'

Lutadores se enfrentaram pelo UFC 152, no Canadá

O Estado de S. Paulo

24 Novembro 2015 | 20h08

Jon Jones atacou o UFC e a comissão atlética em sua primeira entrevista ao ser reintegrado a maior torneio de MMA do mundo. O ex-campeão dos meio-pesados do UFC disse que correu 'risco de morrer' quando permitiram que Vitor Belfort o enfrentasse no UFC 152, em 2012, mesmo sabendo que o brasileiro estava sob efeito de esteroides.

"Na sua idade e onde ele está na sua carreira, eu lembro na pesagem que olhei para seu abdômen e pensei, "Cara, sou vários anos mais jovem que você, e você parece mais seco que eu." E eu sabia que tinha treinado bem duro para aquela luta", disse o norte-americano ao site especializado MMA Fighting.

Exame antidoping realizado em Belfort na época teria apresentado níveis de testosterona duas vezes e meia maiores do que os normais para alguém na idade do Fenômeno. O resultado, que seria de conhecimento do UFC, teria sido omitido, mas acabou sendo divulgado por acidente pelo Ultimate através de um email enviado para 29 pessoas, segundo o site DeadSpin.

A primeira opção para substituir o machucado Dan Henderson no UFC 152 foi Chael Sonnen, mas o falastrão acabou tendo seu nome vetado por Jon Jones.

Apesar de ter ganho a luta, realizada em Toronto, no Canadá, Jones ficou gravemente machucado após levar uma chave de braço ainda no primeiro round. "Vitor Belfort estava usando esteroides quando eu o enfrentei. O UFC estava bem ciente, bem antes da luta. Não fizeram nada para penalizá-lo. Eles deixaram a luta seguir sabendo que eu enfrentaria um cara usando esteroides, o que é um risco para minha vida. O que você faz?"

Em 2013, o brasileiro revelou que fazia tratamento de TRT (Terapia de Reposição de Testosterona), que depois viria a ser proibido. Vitor também se envolveu em polêmicas por doping em outras duas oportunidades: Em 2006, após luta contra Dan Henderson, pelo Pride, e em 2014, em exame surpresa fora da época de competições.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.