AFP
AFP

José Aldo manda recado para Max Holloway: 'De fujão já basta o Conor'

Brasileiro não gostou de ouvir seu desafiante pedir para adiar luta em fevereiro para aproveitar o aniversário do filho

O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2016 | 13h02

José Aldo ainda parece ressentido com a derrota e com as provocações de Conor Mcgregor há um ano. Ao saber seu desafiante Max Holloway queria adiar o confronto que valerá o cinturão dos penas, no dia 11 de fevereiro, para comemorar o aniversário do filho, o manauara disparou: "Não tem para onde correr. De fujão já basta o Conor."

O brasileiro confirmou na última segunda, durante lançamento da mini série sobre sua vida no Rio de Janeiro, que fará sua primeira defesa de título no segundo evento do Ultimate na cidade de Nova York. Aldo foi declarado campeão linear da categoria após o Mcgregor ser obrigado a ter que abrir mão do título para ficar apenas nos pesos leves.

“Eu já sabia que o Conor não iria mais voltar para a categoria. Sobre a luta de fevereiro, já sabia, só não sabia com quem ia ser. Seria ele ou o Pettis, mas todos já sabiam. E vai acontecer em 11 de fevereiro. Já estava fechado bem antes, só não podia anunciar”, explicou. 

“A data está certa. Vou lutar nesse dia, com ele ou com outro. Se ele não aparecer, o problema é dele. Todo mundo tem família e filho. Quem quer ser campeão não tem nada de data. Já lutei e treinei em natal e ano novo. É bem fácil analisar e ver quem vai aparecer. Já estava certo com o UFC a data”, completou.

Max Holloway é o atual cinturão interino dos penas. A conquista veio depois de nocaute contra Anthony Pettis UFC 206. Assim que foi declarado vencedor, o americano já começou a provocar Aldo.  "Cadê o Aldo? Eu e você em Brooklyn, quero o cinturão de verdade”, disse o lutador".

Tudo o que sabemos sobre:
José AldoUFCConor Mcgregor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.