Reprodução/Twitter/UFC
Reprodução/Twitter/UFC

Junior Cigano derrota Lewis por nocaute técnico e diz que vai buscar o cinturão

Brasileiro conquista vitória no segundo round e diz que quer mais oportunidades de entrar no ringue pelo UFC

Redação, Estadão Conteúdo

10 de março de 2019 | 11h10

Junior dos Santos, o Cigano, venceu Derrick Lewis por nocaute técnico, na madrugada deste domingo (horário de Brasília), na atração principal do UFC Fight Night 146, disputado em Wichita, nos Estados Unidos. O triunfo do peso pesado (categoria até 120,2 Kg) veio aos 1min58 do segundo round. O também brasileiro Sergio Moraes foi derrotado no evento, por decisão unânime dos juízes, para Anthony Rocco Martin.

"Quero receber mais lutas, UFC. Para dizer a verdade, não sei como alguns caras me ultrapassam no ranking. Eles me colocam em umas posições que eu não sei o porquê, mas está tudo bem. Estou aqui para lutar de novo e reconquistar meu cinturão", disse Cigano após a luta.

O brasileiro está em oitavo lugar entre os pesos pesados no ranking oficial do UFC, formulado por votos de membros da mídia especializada que cobre MMA. Com a vitória sobre Lewis, o terceiro colocado, Cigano deve subir posições e voltar a ficar próximo de uma disputa por título, que hoje está em posse de Daniel Cormier.

O triunfo sobre Lewis foi o terceiro consecutivo de Cigano, que agora tem 21 vitórias e cinco derrotas na carreira. O brasileiro não perde desde maio de 2017, quando foi nocauteado em uma disputa de cinturão contra Stipe Miocic, que naquela ocasião era o campeão da categoria.

Perguntado sobre a possível remarcação de um confronto com Francis Ngannou, Cigano se mostrou favorável. "Eu acho que seria ótimo. Deveria ter acontecido no passado, mas aconteceu um negócio estranho. Talvez possa ser agora", afirmou o brasileiro, que foi dono do cinturão dos pesados do UFC entre novembro de 2011 e dezembro de 2012.

O duelo contra o camaronês estava agendado para setembro de 2017, mas a Agência Anti-Doping dos Estados Unidos (Usada), responsável pelo controle de dopagem no UFC, solicitou a retirada de Cigano do combate por suspeita de ingestão de uma substância proibida. O brasileiro conseguiu provar que um suplemento consumido por ele havia sido contaminado, por isso recebeu uma suspensão de apenas seis meses. Ngannou está em segundo lugar no ranking do UFC e vem de dois triunfos seguidos.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.