Sarah Stier/Getty Images/AFP
Sarah Stier/Getty Images/AFP

Katie Taylor x Amanda Serrano inicia uma nova era para o boxe feminino

Maior luta de todos os tempos entre mulheres na nobre arte acontece neste sábado, em um Madison Square Garden lotado

Wilson Baldini Jr., O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2022 | 08h00

Durante décadas as mulheres tiveram de se esconder nos terraços dos prédios em Nova York para praticar o boxe, afinal a nobre arte era proibida para o sexo feminino. Neste sábado, a irlandesa Katie Taylor e a norte-americana Amanda Serrano são protagonistas da maior luta de boxe feminino de todos os tempos. E o palco será o mítico ginásio do Madison Square Garden, apontado como a 'Meca do Boxe'.

Os 20 mil ingressos colocados à venda foram consumidos em poucas horas pelos fãs. Metade deles são aguardados do Reino Unido, onde Katie Taylor é um ídolo nacional na Irlanda. A outra parte dos bilhetes ficou para os nova-iorquinos, em sua maioria descendentes de porto-riquenhos, assim como Amanda Serrano.

Taylor, de 35 anos, foi campeã olímpica em 2012 e somou mais 16 medalhas de ouro em competições mundiais e europeias. Se profissionalizou em 2016 e conquistou os quatro principais cinturões (CMB, OMB, AMB e FIB) na categoria dos leves. Com 1,65 metro de altura e 1,68 de envergadura, a irlandesa soma 20 vitórias, com seis nocautes. Ela é dona de um estilo muito rápido, repleto de sequências, muito fôlego, mas sem grande potência nos punhos.

Serrano, de 33 anos, com 1,66 metro de altura e mesma medida de envergadura, soma 42 vitórias (30 nocautes), um empate e uma derrota, sofrida em 2012. Ela acumula títulos mundiais em sete categorias e é canhota, o que pode ser um trunfo diante de Taylor, boxeadora destra.

Os estilos das pugilistas tornam a disputa bastante atrativa. Taylor gosta de partir para cima de suas adversárias e troca golpes durante os dois minutos de todos os assaltos. É uma 'máquina' de disparar ganchos, cruzados e uppers. Serrano prefere a luta na média e longa distância. Se movimenta bem para os lados e é muito boa no contra-ataque.

Independentemente do resultado, o boxe feminino é o maior vencedor antes mesmo do soar do primeiro gongo. Taylor x Serrano está com mais espaço na mídia internacional que o duelo entre os campeões Oscar Valdez, do México, e Shakur Stevenson, dos Estados Unidos, que lutam em Las Vegas, praticamente no mesmo horário, pelo cinturão dos pesos superpenas.

"Teria sido uma pena terrível se esta luta não acontecesse. Eu esperava que não fosse uma daquelas lutas do tipo Floyd Mayweather x Manny Pacquiao, que acabou acontecendo anos depois do que deveria ter ocorrido. É ótimo que esteja realmente acontecendo quando nós duas estamos no auge", disse Katie Taylor.

Serrano chegou a prever o que poderá acontecer em cima do ringue e destacou a sua capacidade e também da adversária. "Vocês definitivamente verão dois dos melhores talentos da atualidade. O que vocês verão será coração, glória, muitos socos. Uma verdadeira noite de boxe - não apenas boxe feminino. Vai ser uma grande noite de boxe."

Tudo o que sabemos sobre:
Katie Taylorboxe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.