Steven Ryan /AFP
Steven Ryan /AFP

Lomachenko vence Rigondeaux por nocaute técnico e mantém cinturão

Ucraniano supera rival com facilidade e permanece com o título dos superpenas da OMB

Estadao Conteudo

10 de dezembro de 2017 | 10h14

No inédito duelo entre dois bicampeões olímpicos do boxe, o ucraniano Vasyl Lomachenko teve mais facilidade do que esperava para superar o cubano Guillermo Rigondeaux, na madrugada deste domingo, no Madison Square Garden Theater, em Nova York. Lomachenko venceu por nocaute técnico e manteve o cinturão dos pesos superpenas da Organização Mundial de Boxe (OMB).

+ Lomachenko x Rigondeaux, um combate para honrar 'a nobre arte'

Lomachenko garantiu a vitória quando o estafe do rival pediu para interromper a luta, entre o fim do sexto e o início do sétimo round, por conta de dores na mão esquerda de Rigondeaux. O cubano nunca tinha perdido uma luta como profissional, em 17 lutas (venceu 11 por nocaute) - foram 463 vitórias e 12 derrotas como amador.

De acordo com a equipe do cubano, ele começou a sentir dores na mão no segundo round. O desconforto aumentou gradativamente até o pugilista desistir da luta. Ele alegou que suspeitava de uma fratura no local. Ao fim da luta, foi encaminhado ao hospital para fazer exames.

Curiosamente, Lomachenko venceu sua quarta luta seguida por conta da desistência do rival. Agora o bicampeão olímpico, em Pequim-2008 e Londres-2012, soma dez vitórias (oito por nocaute) e apenas uma derrota como profissional. Como amador, foram 396 vitórias e apenas uma derrota. Ele teve um outro revés, diante do brasileiro Robson Conceição, mas o resultado foi revisto.

No início da madrugada deste domingo, os dois boxeadores canhotos não fizeram o duelo equilibrado que era esperado. Embora Lomachenko tivesse ligeiro favoritismo, o público aguardava por um confronto mais técnico e parelho. Mas não foi o que aconteceu. O ucraniano dominou do início até o nocaute técnico.

Lomachenko exibia maior velocidade nos golpes e agilidade no ringue, enquanto o rival aparentemente sofria com a diferença de altura entre os dois (1,68 metro contra 1,62 metro). "Eu me ajustei ao estilo dele, principalmente aos golpes inferiores", disse o ucraniano.

A categoria dos superpenas (até 58,967 quilos) é a mesma do brasileiro Robson Conceição, campeão olímpico no Rio-2016. Bob Arum, que cuida da carreira de Lomachenko, já disse que uma luta entre o ucraniano e Robson pode ocorrer no futuro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.