Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Lutadores do UFC ficam chocados com suspensão de cinco anos

Glover Teixeira e Ronda Rousey lamentam gancho de Nick Diaz

PAULO FAVERO, O Estado de S. Paulo

17 de setembro de 2015 | 07h04

A punição de cinco anos para o lutador Nick Diaz, por uso de maconha, está mexendo com o mundo do MMA. Vários lutadores saíram em defesa do norte-americano, até mesmo porque o gancho é muito longo. "Isso acaba com a carreira dele. São cinco anos. Se eu fosse suspenso todo esse tempo, voltaria a lutar com 40. Ao mesmo tempo, se é regra, é para ser cumprida, mas nem sempre eu concordo com a regra. Estou falando em geral, não só no UFC. Se essa é a punição, paciência", disse o brasileiro Glover Teixeira.

Quem também foi enfática na defesa de Diaz foi a lutadora Ronda Rousey. "Não faz sentido ele ser suspenso por cinco anos por uso de maconha, porque ela não melhora o rendimento do atleta. É injusto um lutador usar anabolizantes, porque isso deixa seu desempenho melhor. É contraditório alguém ser suspenso por apenas um ano por uso de esteroide e um que fumou maconha pegar cinco anos. Vou defender sempre o Nick", afirmou.

Nick Diaz enfrentou Anderson Silva na luta principal do UFC 183. Os dois, entretanto, fizeram uso de substâncias proibidas e foram flagrados em exame antidoping. O brasileiro, que utilizou um esteroide anabolizante, levou um ano de suspensão. O norte-americano foi julgado pelo uso de maconha e foi punido por cinco anos. A Comissão Atlética de Nevada foi responsável pelos dois julgamentos, uma vez que o combate aconteceu naquele estado norte-americano, na cidade de Las Vegas.

Aos 32 anos, Nick Diaz pretende recorrer da punição na Justiça comum. O maior problema é que ele já havia sido punido outras duas vezes por uso de maconha. "O Anderson foi pego com esteroide e teve uma punição de um ano e o cara, por uso de maconha, pegou cinco anos. Tudo bem que era reincidente, acho que foi por isso que complicou", comentou Glover, que acha que será muito difícil o lutador se reerguer. "Acho que teria de ser punido, mas é muito tempo. Para um atleta, é como se fosse prisão perpétua. Para um atleta como o Nick Diaz, é quase o fim."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.