Stephen Dunn/AFP
Stephen Dunn/AFP

Mayweather já se sente vencedor e Pacquiao não teme pegada

Pugilistas promoveram a luta em Los Angeles, nesta quarta-feira

EFE

12 Março 2015 | 08h35

O encontro oficial entre o pugilista invicto americano Floyd Mayweather e o filipino Manny Pacquiao ocorreu nesta quarta-feira, em Los Angeles, onde os dois se mostraram comportados em seu primeiro evento de promoção do combate, que acontece no dia 2 de maio no MGM Grand de Las Vegas.

A luta tem uma bolsa no valor de US$ 250 milhões, que será dividida entre os dois pugilistas, e com a qual os promotores esperam conseguir a maior renda na história do boxe. O combate será exibido em 150 países e foi acertado quando os dois atletas se reuniram no dia 27 de janeiro em um hotel, em Miami.

"Quando alguém ganha uma soma de dinheiro de nove dígitos em 36 minutos, simplesmente já é um vencedor", declarou Mayweather, de 38 anos, que disse estar pronto para manter sua invencibilidade. Pacquiao, de 36, também se mostrou confiante na vitória e admitiu que se há algo que não teme em seu rival é o poder de sua pegada.

"Estou focado na luta e não penso além de 2 de maio. Pacquiao é um boxeador interessante, mas já perdeu. Isso fica na mente, portanto devo me estabilizar em meu trabalho, porque é mais uma luta", destacou Mayweather.

O americano, que nunca perdeu e soma 47 vitórias em seu cartel, 26 delas por nocaute e em 24 ocasiões com o título mundial em jogo, reiterou que este combate é o que mundo todo estava esperando. "Com a reunião de Miami, tudo ficou resolvido. A luta não precisa de promoção porque se vende por si só, já que estarão sobre o ringue os dois melhores pugilistas. Não vou mudar de estratégia, vou em busca do meu melhor boxe para poder vencer, por isso digo a todos que comprem a luta para vê-la pela televisão", disse Mayweather.

Pacquiao se mostrou tranquilo e seguro de si, se manteve sorridente o tempo todo e, mais uma vez, disse que devia tudo a Deus, que estava pronto para a grande luta, que, ironicamente, era a que menos pressão lhe trazia pressão. "Deus me tirou do nada e sempre recebi sua ajuda, por isso agradeço por este dia maravilhoso. Vocês terão aquilo que esperaram durante cinco anos, a luta está marcada".

Pacquiao, que tem um cartel de 57 vitórias (38 por nocaute), cinco derrotas e dois empates, admitiu que a luta só vai acontecer porque aceitou ficar com 40% da bolsa e deixar os outros 60 para Mayweather, e também depois que as redes HBO e Showtime entraram em um acordo.

"Conheço bem o boxe de Mayweather e a pegada não é seu forte, tive adversários como Antonio Margarito, e rivais mais duros como Oscar de la Hoya e Miguel Cotto, por isso não me importo em não ser o favorito nas apostas", acrescentou Pacquiao. "Estou entusiasmado com o combate, porque acho que até os que não são apreciadores do boxe vão acompanhá-lo. Além disso, não vão restar dúvidas sobre quem é o melhor", ressaltou.

Seu preparador, Freddie Roach, disse que ele está pronto para o grande desafio de sua vida e no qual, garantiu, "vai arrasar" com seu adversário. O promotor Bob Arum afirmou que se tratava de um dia grandioso para o boxe, que estavam superadas todas as inimizades entre ambas as partes e que a luta do dia 2 de maio é um evento que pode ser comparado ao Super Bowl, da NFL, ou aos Jogos Olímpicos.

Mais conteúdo sobre:
boxe Mayweather Pacquiao lutas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.