Reuters
Reuters

Médicos de esportes de combate pedem que lutas sejam retomadas

Profissionais que treinam e certificam médicos de boxe e artes marciais mistas atualizaram sua posição em relação ao relaxamento do confinamento

AFP, O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2020 | 17h19

Depois de pedir uma proibição indefinida de esportes de combate em abril, a Associação Médica de Ringside (ARP) agora concorda que, com as precauções contra o coronavírus, alguns eventos ocorrerão.

Em uma declaração de fim de semana no site do grupo, médicos que treinam e certificam médicos de boxe e artes marciais mistas em todo o mundo atualizaram sua posição em relação ao relaxamento do confinamento devido à pandemia de covid-19.

"Embora seja impossível eliminar todo o risco associado à covid-19, podem ser tomadas precauções para reduzir o risco de transmissão viral", afirmou o comunicado. "Muitas comissões, organizações e promotores de esportes estão desenvolvendo novas diretrizes para limitar a exposição a todos os envolvidos em eventos, incluindo atletas, suas equipes, comissão de funcionários e equipes de apoio", acrescentam.

Esportes em todo o mundo foram suspensos devido à pandemia de coronavírus.

Mas três cards do UFC foram agendados para ocorrer em Jacksonville, na Flórida. O primeiro no sábado e os dois restantes nos dias 13 e 16 de maio, todos televisionados, mas sem público presente.

"Os procedimentos para eventos esportivos de combate com relação às precauções do covid-19 devem ser ativamente desenvolvidos, revisados regularmente e modificados com base no conhecimento e evidência científica em evolução apresentados pelas autoridades de saúde pública", acrescentou a ARP.

Além disso, o comunicado esclarece que "essas diretrizes também devem envolver autoridades locais e regionais de saúde pública, assim como especialistas em doenças infecciosas e epidemiologistas".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.