Jason Smith| USA Today Sports
Jason Smith| USA Today Sports

Miesha Tate cogita luta por título após estreia de Cris Cyborg no UFC

Brasileira não pretende descer ainda mais seu peso

O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2016 | 11h35

O UFC 198, disputado no último sábado (14) na Arena da Baixada, em Curitiba, marcou a estreia da Cris Cyborg no Ultimate. Campeã do peso pena (até 65,8 kg) do Invicta FC, a brasileira enfrentou Leslie Smith e derrotou a norte-americana em 81 segundos. 

Logo depois da súbita vitória de Cyborg, Miesha Tate, atual campeã dos galos (até 61,2 kg) do UFC, elogiou a lutadora e até propôs uma disputa pelo cinturão da categoria. "Performance impressionante de Cris Cyborg nesta noite! Que mulher poderosa. Parabéns por lutar em 63 kg. Mais 1,8 kg e podemos fazer uma luta por título", escreveu Tate em sua conta no Twitter. 

Pela diferença das categorias entre Cyborg e Smith, também do galo, o confronto foi fechado em peso casado de até 63,5 kg. Poucos minutos depois, um torcedor falou para Miesha Tate aumentar seu peso e subir ao octógono com a brasileira também em peso casado. "Posso fazer isso, mas não seria luta por cinturão", respondeu a norte-americana. 

Cris, por sua vez, replicou ao mesmo tweet exaltando sua vitória pelo Invicta FC e agradeceu a torcida de Tate. "Eu tenho um título mundial. Você sabe que sou campeã mundial. Obrigada pelo apoio."

Além do peso galo de Miesha Tate, Leslie Smith e Ronda Rousey, o UFC reserva também o peso palha (até 52,2 kg) para as mulheres. Nesta categoria, a atual campeã é a polonesa Joanna Jedrzejczyk. Dana White não indica a criação de uma terceira categoria para as mulheres. Ao mesmo tempo, Cyborg não pretende descer ainda mais seu peso. 

"Acredito que posso fazer outras super-lutas. Mas vou continuar perto do meu peso. Sou campeã há algum tempo, quero que o MMA feminino cresça e não acredito que seja a melhor coisa a fazer abandonar meu peso", disse Cybor após o UFC 198.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.