UFC
UFC

No UFC 238, Marlon Moraes pode ganhar mais um cinturão para o Brasil

Lutador disputa o título dos galos contra o norte-americano Henry Cejudo na luta principal do evento em Chicago

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2019 | 04h36

O brasileiro Marlon Moraes vai fazer neste sábado à noite em Chicago a luta principal do UFC 238 contra o norte-americano Henry Cejudo, detentor do cinturão peso mosca da franquia. O rival já foi campeão olímpico no wrestling, mas o brasileiro conta que se preparou muito bem para esse desafio e que vai trazer mais um título para o País – os outros são de Amanda Nunes e Jéssica Andrade.

“Eu venho trabalhando há muito tempo por essa oportunidade, esperava até ter conseguido isso aí antes. A expectativa é muito boa. É o trabalho de uma vida e eu treinei para ser campeão do UFC, e é isso que eu vou fazer no octógono, entrar para ganhar o cinturão”, afirmou Marlon ao Estado.

O lutador ganhou a chance de disputar o cinturão da categoria ao superar seu compatriota Raphael Assunção por finalização em fevereiro, no UFC Fortaleza. A vitória o credenciou para brigar pelo título e o combate na capital cearense foi um tira-teima de sua estreia no Ultimate, quando enfrentou o próprio Assunção, em junho de 2017, e perdeu por decisão dividida. “Para mim, foi uma revanche e eu consegui ter uma boa performance. Isso carimbou o meu passaporte. Cheguei por merecimento e quero ser campeão”, disse o lutador.

Até por essa insistência no esporte, Marlon se orgulha de sua trajetória e sabe que o céu é o limite. “Já passei por tudo na minha vida para chegar até aqui. Venho de família pobre, de um bairro um pouco discriminado na minha cidade de Nova Friburgo, já caí, já levantei, mas sempre mostrei para todo mundo que eu era um cara batalhador”, comentou.

Ele sabe que enfrentará um norte-americano no United Center, mas espera conquistar os fãs com uma boa atuação. “A maioria das minhas lutas foi assim, fora de casa, e já estou até acostumado. É indescritível a sensação de lutar no Brasil, mas gosto de lutar fora também. Não estou em casa, mas sei que estou representando o povo brasileiro. É a hora de chegar lá, dar o meu melhor e ser campeão mundial”, avisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.