Michael Reaves/AFP
Michael Reaves/AFP

Nova York aguarda UFC histórico com ingresso médio a quase US$ 1.000

Evento nos EUA terá bilheteria recorde e luta principal entre Conor McGregor e Eddie Alvarez

Paulo Favero, O Estado de S. Paulo

11 de novembro de 2016 | 07h11

O UFC 205 será um marco na história do MMA (artes marciais mistas). Após mais de 21 anos, o evento retorna ao Estado de Nova York, onde estava proibido desde 1997. Com a liberação, autorizada neste ano pela Assembleia Legislativa local, o público poderá ver em ação três disputas de cinturão no Madison Square Garden e 12 combates no total.

Nova York era o único dos 50 Estados norte-americanos que não permitia as lutas de MMA em seu território. Com a mudança, o UFC tratou logo de fazer um card especial em um evento que contará com os ingressos mais caros da história, com preço médio de aproximadamente US$ 971 (R$ 3.264).

O próprio Dana White, presidente do UFC, revelou que é possível que seja quebrado o recorde de bilheteria no Madison Square Garden. Até agora, o maior evento foi na luta de boxe entre Evander Holyfield e Lennox Lewis, em 1999, quando foram arrecadados US$ 13,5 milhões (R$ 45,379 milhões na cotação atual).

“Nós estivemos em todas as melhores e maiores arenas do mundo. O Madison Square Garden é um grande desafio. Todas as lutas lendárias que foram realizadas lá, todos os eventos lendários. Nós, na verdade, quebramos o recorde de bilheteria do Madison Square Garden, então está tudo bem. Estou animado”, afirmou White recentemente.

Se superar a barreira da luta de boxe de 1999, o UFC também quebrará seu próprio recorde pessoal. Até então, o maior valor arrecadado em um evento foi no UFC 129, em 2011, no Rogers Centre, em Toronto (Canadá), quando 55.724 assistiram aos combates. A renda foi US$ 12 milhões (R$ 40,336 milhões, também na cotação atual).

O último UFC no Estado de Nova York (1995) foi realizado no Memorial Auditorium, em Buffalo e teve a vitória do brasileiro Marco Ruas, que revolucionou o MMA ao mostrar que era praticante de diversas modalidades e as misturava em suas lutas. Na ocasião, ele derrotou três rivais na mesma noite e fez uma final memorável contra o gigante Paul Varelans, de 2,03 m.

Agora, ciente da importância do evento, o UFC escalou o polêmico irlandês Conor McGregor para fazer a luta principal, contra Eddie Alvarez. “Eu continuo trabalhando, fazendo história e mudando o jogo. É isso que tenho feito. E é isso que pretendo continuar fazendo, quebrando recordes, levando as coisas para outro nível. Esses são meus planos”, avisou McGregor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.