Michael Reaves/AFP
Michael Reaves/AFP

Nova York aguarda UFC histórico com ingresso médio a quase US$ 1.000

Evento nos EUA terá bilheteria recorde e luta principal entre Conor McGregor e Eddie Alvarez

Paulo Favero, O Estado de S. Paulo

11 de novembro de 2016 | 07h11

O UFC 205 será um marco na história do MMA (artes marciais mistas). Após mais de 21 anos, o evento retorna ao Estado de Nova York, onde estava proibido desde 1997. Com a liberação, autorizada neste ano pela Assembleia Legislativa local, o público poderá ver em ação três disputas de cinturão no Madison Square Garden e 12 combates no total.

Nova York era o único dos 50 Estados norte-americanos que não permitia as lutas de MMA em seu território. Com a mudança, o UFC tratou logo de fazer um card especial em um evento que contará com os ingressos mais caros da história, com preço médio de aproximadamente US$ 971 (R$ 3.264).

O próprio Dana White, presidente do UFC, revelou que é possível que seja quebrado o recorde de bilheteria no Madison Square Garden. Até agora, o maior evento foi na luta de boxe entre Evander Holyfield e Lennox Lewis, em 1999, quando foram arrecadados US$ 13,5 milhões (R$ 45,379 milhões na cotação atual).

“Nós estivemos em todas as melhores e maiores arenas do mundo. O Madison Square Garden é um grande desafio. Todas as lutas lendárias que foram realizadas lá, todos os eventos lendários. Nós, na verdade, quebramos o recorde de bilheteria do Madison Square Garden, então está tudo bem. Estou animado”, afirmou White recentemente.

Se superar a barreira da luta de boxe de 1999, o UFC também quebrará seu próprio recorde pessoal. Até então, o maior valor arrecadado em um evento foi no UFC 129, em 2011, no Rogers Centre, em Toronto (Canadá), quando 55.724 assistiram aos combates. A renda foi US$ 12 milhões (R$ 40,336 milhões, também na cotação atual).

O último UFC no Estado de Nova York (1995) foi realizado no Memorial Auditorium, em Buffalo e teve a vitória do brasileiro Marco Ruas, que revolucionou o MMA ao mostrar que era praticante de diversas modalidades e as misturava em suas lutas. Na ocasião, ele derrotou três rivais na mesma noite e fez uma final memorável contra o gigante Paul Varelans, de 2,03 m.

Agora, ciente da importância do evento, o UFC escalou o polêmico irlandês Conor McGregor para fazer a luta principal, contra Eddie Alvarez. “Eu continuo trabalhando, fazendo história e mudando o jogo. É isso que tenho feito. E é isso que pretendo continuar fazendo, quebrando recordes, levando as coisas para outro nível. Esses são meus planos”, avisou McGregor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.