Divulgação
Divulgação

UFC descarta fratura e José Aldo deve fazer luta contra McGregor

Brasileiro chegou a ter duelo contra irlandês seriamente ameaçada

O Estado de S. Paulo

25 de junho de 2015 | 00h16

Depois do susto na última terça-feira, o brasileiro José Aldo recebeu uma boa notícia nesta quarta. O UFC anunciou que o campeão do peso-pena não sofreu nenhuma fratura na costela - como se suspeitava -, confirmando o duelo contra Conor McGregor no dia 11 de julho, pelo UFC 189.

Mesmo descartando neste momento qualquer chance de cancelar o confronto, o evento se protegeu de uma eventual reviravolta na lesão de Aldo e já confirmou Chad Mendes como “plano B” para a luta caso o brasileiro não tenha condições de participar.

Os exames realizados nesta quarta mostraram que o manauara sofreu um edema ósseo na costela, e não uma fratura no local, como chegou a ser cogitado. Aldo se contundiu após receber um chute do seu companheiro de equipe, Alcides Nunes, durante um treinamento.

Confira a nota divulgada pelo UFC na íntegra:

À luz das notícias sobre a situação do campeão peso-pena do UFC, José Aldo, o UFC recebeu a confirmação, de diversos médicos, que Aldo não quebrou a costela.

Seguindo uma análise dos exames, foi identificado que o campeão sofreu uma contusão óssea na costela e lesão na cartilagem, durante um treino.

Com esses acontecimentos e novidades, Aldo expressou que tem toda intenção de enfrentar Conor McGregor no UFC 189.

Enquanto Aldo indicou que pretende lutar, em Las Vegas, no dia 11 de Julho, o UFC confirmou um plano de contingência: o desafiante peso-pena número 1, Chad Mendes, enfrentará Conor McGregor, pelo título interino da categoria, caso Aldo não possa competir.

O UFC continua comprometido em entregar as disputas de cinturão dos penas e dos meio-médios no UFC 189, durante a International Fight Week, em Las Vegas. 

Tudo o que sabemos sobre:
UFCJosé AldoConor McGregorUFC 189

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.