Andreza Galdeano/ Estadão
Andreza Galdeano/ Estadão

UFC fará três eventos no Brasil em 2020, um deles pode ser em estádio de futebol

Cidades brasileiras ainda não estão definidas, mas existe a possibilidade de ser no Nordeste

Andreza Galdeano e Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2019 | 04h35

O UFC se despediu do Brasil neste ano com o evento em São Paulo. Nele, o show foi de Charles do Bronx, que ganhou por nocaute de Jared Gordon, levantando os 10.344 torcedores que lotaram o ginásio do Ibirapuera. Já Mauricio Shogun empatou com Paul Craig e Ronaldo Jacaré foi superado por Jan Blachowicz.

Segundo David Shaw, vice-presidente sênior do UFC, o ano de 2020 terá a mesma configuração de eventos no Brasil. "Teremos um pay-per-view e dois Fight Night. Ainda não definimos os locais, mas sempre queremos estar em São Paulo, então estamos vendo a situação do Ibirapuera. Nossa ideia é ir para as grandes metrópoles, mas também para cidades menores onde nunca estivemos", diz ao Estadão.

Não está descartado um grande evento em estádio de futebol no próximo ano. O UFC também vai continuar desenvolvendo o esporte em outros países da América Latina. Para Shaw, o Brasil é muito importante. "O que fazemos no Brasil precisa ser replicado na Austrália, China, Canadá, outros territórios. Aqui nós dobramos nossa base de fãs em cinco anos, o que é incrível", afirma.

O sucesso do UFC no Brasil contribui também para ter bons atletas representando o País. "São 101 lutadores brasileiros no UFC, a maior marca da história. E 34 deles estão ranqueados no top 15. Não tem outro país como esse", revela Shaw, que não tem preocupação com o declínio de alguns veteranos no octógono.

No UFC São Paulo, por exemplo, o experiente Jacaré acabou sendo derrotado. Outra lenda do Ultimate, Mauricio Shogun, ficou no empate em sua luta. Além deles, lutadores como Wanderlei Silva, Vitor Belfort e o próprio Anderson Silva, que ainda tem mais alguns combates assinados com o UFC, já não têm a mesma relevância de antes.

Mas a nova geração está aí para ocupar seu espaço e substituir os grandes campeões. Amanda Nunes, por exemplo, é dona de dois cinturões na divisão feminina. "Muitos atletas aparecem e o surgimento deles é importante", comenta Shaw, que sabe que novos ídolos brasileiros estão surgindo em muitos cantos do País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.