Andreza Galdeano/ Estadão
Andreza Galdeano/ Estadão

UFC fará três eventos no Brasil em 2020, um deles pode ser em estádio de futebol

Cidades brasileiras ainda não estão definidas, mas existe a possibilidade de ser no Nordeste

Andreza Galdeano e Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2019 | 04h35

O UFC se despediu do Brasil neste ano com o evento em São Paulo. Nele, o show foi de Charles do Bronx, que ganhou por nocaute de Jared Gordon, levantando os 10.344 torcedores que lotaram o ginásio do Ibirapuera. Já Mauricio Shogun empatou com Paul Craig e Ronaldo Jacaré foi superado por Jan Blachowicz.

Segundo David Shaw, vice-presidente sênior do UFC, o ano de 2020 terá a mesma configuração de eventos no Brasil. "Teremos um pay-per-view e dois Fight Night. Ainda não definimos os locais, mas sempre queremos estar em São Paulo, então estamos vendo a situação do Ibirapuera. Nossa ideia é ir para as grandes metrópoles, mas também para cidades menores onde nunca estivemos", diz ao Estadão.

Não está descartado um grande evento em estádio de futebol no próximo ano. O UFC também vai continuar desenvolvendo o esporte em outros países da América Latina. Para Shaw, o Brasil é muito importante. "O que fazemos no Brasil precisa ser replicado na Austrália, China, Canadá, outros territórios. Aqui nós dobramos nossa base de fãs em cinco anos, o que é incrível", afirma.

O sucesso do UFC no Brasil contribui também para ter bons atletas representando o País. "São 101 lutadores brasileiros no UFC, a maior marca da história. E 34 deles estão ranqueados no top 15. Não tem outro país como esse", revela Shaw, que não tem preocupação com o declínio de alguns veteranos no octógono.

No UFC São Paulo, por exemplo, o experiente Jacaré acabou sendo derrotado. Outra lenda do Ultimate, Mauricio Shogun, ficou no empate em sua luta. Além deles, lutadores como Wanderlei Silva, Vitor Belfort e o próprio Anderson Silva, que ainda tem mais alguns combates assinados com o UFC, já não têm a mesma relevância de antes.

Mas a nova geração está aí para ocupar seu espaço e substituir os grandes campeões. Amanda Nunes, por exemplo, é dona de dois cinturões na divisão feminina. "Muitos atletas aparecem e o surgimento deles é importante", comenta Shaw, que sabe que novos ídolos brasileiros estão surgindo em muitos cantos do País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.