14º título de Grand Slam faz Nadal alcançar marca de Sampras

Espanhol empata com americano e busca Roger Federer, maior vencedor de slams na história do tênis

Rafael Fiuza, O Estado de S. Paulo

08 de junho de 2014 | 20h24

A dupla falta cometida por Novak Djokovic na quadra central Philippe Chatrier deu ao espanhol Rafael Nadal o nono título de Roland Garros, em dez torneios disputados. O 14° na história do líder do ranking. O resultado fez Nadal alcançar o americano Pete Sampras na lista entre os maiores campeões de Slams, ambos atrás de Roger Federer com 17 taças conquistadas.

O nono título de Nadal, em Paris, foi o quinto consecutivo, conquistado através de  35 triunfos, maior sequência de vitórias da competição. A marca havia sido interrompida por Robin Soderling, nas oitavas-de-final do torneio realizado no saibro parisiense, em 2009, mas retornou no ano seguinte e segue invencível.

Além dos títulos de Roland Garros, Rafael Nadal conquistou o Australian Open (2009), Wimbledon (2008 e 2010) e US Open (2010 e 2013). Já Pete Sampras, passou Roland Garros em branco na carreira, mas venceu Australian Open (1994 e 1997), Wimbledon (1993 a 1995 e 1997 a 2000) e o US Open (1990, 1993, 1996, 1997 e 2002).

Para alcançar a marca do americano, Rafael Nadal demorou exatos nove anos e três dias, entre a primeira conquista em Roland Garros e a última na tarde deste domingo. Sampras venceu o primeiro torneio Grand Slam em 1990, nos Estados Unidos, e encerrou da mesma forma, na edição de 2002, com 14 títulos em um intervalo de 12 anos.

Apenas Roger Federer, em um período menor, conquistou mais títulos, em todos os pisos possíveis. Desde a primeira vitória do suíço, em Wimbledon, em 2003, foram 17 conquistas de Slams, sete na Inglaterra, cinco nos Estados Unidos, quatro na Austrália e uma em Roland Garros. O feito realizado entre 2003 e 2012 durou nove anos e dois dias.

Se Sampras se aposentou há 12 anos, Roger Federer e Rafael Nadal ainda buscam mudar o número de Slams conquistados. Porém, se a distância já é curta entre o número de títulos, a idade pode ser o diferencial para os tenistas. Federer conquistou a última taça aos 30 anos e 11 meses, e, desde então, não alcançou mais finais em torneios deste nível. Já Nadal, que acabara de alcançar os 28 anos comemorados em Paris, ainda aparece frequentemente nas decisões dos torneios, sendo finalista na Austrália, este ano, e campeão do US Open, na última temporada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.