Acioly otimista para a Copa Davis

O Brasil vai jogar fora de casa na sua estréia da Copa Davis de 2002, ao enfrentar a República Checa, de 8 a 10 de fevereiro, provavelmente na cidade de Ostrava. A primeira rodada do Grupo Mundial tem uma importância fundamental. Uma vitória garante a permanência na elite do tênis mundial, entre as 16 melhores equipes da competição. Sem mais o mando dos jogos, como aconteceu nos últimos dois anos, o time brasileiro deixa de ter uma boa vantagem, mas, nem isso tira o otimismo e a confiança do técnico Ricardo Acioly."Jogar fora de casa sempre complica um pouco", admite o treinador. "Mas a equipe da República Checa não tem um jogador que faça a diferença e, mesmo num piso de carpete, acho que o Brasil tem boas chances de vencer nesta primeira rodada." As vantagens de se jogar em casa numa Copa Davis são enormes. O mando garante a escolha do piso, o tipo de bolinha e o local dos jogos. Nos últimos anos, o Brasil aproveitou-se bem desta vantagem, sempre jogando ao nível do mar, numa quadra de saibro e ao lado da torcida.Agora, como comentaram os próprios tenistas checos em Stuttgart, onde disputam o Masters Series, os jogos diante do Brasil muito provavelmente serão em quadras de carpete, coberta. Os dois melhores tenistas da República Checa, Jiri Novak e Bolhdan Ulihra estão na Alemanha, e confirmaram a intenção de se realizar o confronto numa superfície rápida e provavelmente na cidade de Ostrava.Indefinição - "O Brasil tem o número 1 do mundo e o melhor em quadras de saibro", afirmou Novak, que, por curiosidade, fez um jogo muito equilibrado diante de Gustavo Kuerten recentemente no ATP Tour de Stuttgart, disputado no saibro. "Temos de dificultar o máximo para os brasileiros, que gostam de jogar na terra." Para Acioly, com esta escolha de piso, a equipe do Brasil terá de fugir de suas características, mas garante que tanto Guga como Fernando Meligeni podem conseguir bons resultados mesmo assim. Os outros jogadores do time (tanto para duplas como reserva de simples) ainda não estão definidos, podendo sair de uma grande lista de observação do técnico Acioly.Mesmo que o Brasil supere a República Checa, voltaria a jogar fora de casa, tanto diante da França como da Holanda. Só uma classificação para as semifinais faria a situação mudar de figura.Chave do grupo Mundial:* HolandaBrasilRepública Checa* Espanha* MarrocosEUA* RepúblicaEslovacaSuíçaRússia* Inglaterra* SuéciaCroácia* AlemanhaArgentina* Austrália* joga em casa

Agencia Estado,

18 de outubro de 2001 | 15h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.