Acioly vê bom futuro para o Brasil

A derrota para a República Checa, por 4 a 1, não tirou o ânimo do técnico e capitão da equipe brasileira, Ricardo Acioly, que vê um bom futuro para o Brasil na Copa Davis, na repescagem a ser disputada em setembro, com adversário ainda desconhecido. Ele garante que são muito boas as chances de se manter no Grupo Mundial e revela que experiência adquirida em Ostrava será muito importante para os novos jogadores.Na rodada deste domingo, em jogos apenas para cumprir tabela, Flávio Saretta foi bem e derrotou Jan Vacek por 6/1 e 7/6 (8/6). A mesma sorte não teve André Sá. Diante de um adversário em dia inspirado, como estava Bohdan Ulihrach, o tenista brasileiro não teve chances e perdeu por rápidos 6/1 e 6/2.Para Acioly, estes jogos, mesmo sendo para cumprir tabela, foram importantes para o time brasileiro. Serviram justamente para iniciar a renovação da equipe, que já perdeu Jaime Oncins e se prepara também para encontrar um substituto para Fernando Meligeni, especialmente em confrontos de quadras rápidas como este em Ostrava."Acho que tudo isso ajudou muito a fazer com que estes novos jogadores cresçam no circuito", avaliou Acioly. "Só faltou ao time capitalizar um pouco mais as oportunidades que teve. Acho que isso fez a diferença em favor dos checos, que realmente jogaram melhor."Com uma vitória na estréia da Copa Davis, jogando fora de casa, Flávio Saretta ficou muito contente com seu desempenho em Ostrava. A sua boa atuação representou o único ponto do Brasil diante da República Checa. Ele mostrou personalidade e fez um jogo consistente, com bom golpes, sempre aprofundando a bola."Quero ir muito longe na minha carreira e acho que esta experiência foi importante", revelou Saretta. "Não tenho uma meta de ranking, mas espero ganhar muitos jogos este ano."Saretta segue nesta segunda-feira para Santiago, onde disputará um torneio com US$ 375 mil em prêmios. Sua estréia será com jogador saído do qualifying. Também Fernando Meligeni joga no Chile e, na quarta-feira, enfrenta o argentino David Nalbandian.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.