Algoz de Gabriela Cé, alemã será rival de Teliana na final em Florianópolis

Teliana Pereira conheceu na tarde desta sexta-feira sua adversária na final do WTA de Florianópolis. A número 1 do Brasil, quarta cabeça de chave na competição catarinense, vai enfrentar a alemã Annika Beck, que se garantiu na decisão ao superar a norte-americana Bethanie Mattek-Sands por 2 sets a 1, com parciais de 7/6 (10/8), 4/6 e 6/3, em 2h20min.

Estadão Conteúdo

31 de julho de 2015 | 15h17

Atual número 68 do mundo, Beck tem apenas 21 anos, mas vai disputar sua terceira final de nível WTA na carreira. As duas decisões anteriores foram em Luxemburgo - foi campeã no ano passado e vice em 2013. Nesta temporada, seu melhor resultado foi a terceira rodada de Roland Garros.

Para chegar à final no saibro do Costão do Santinho, a tenista da Alemanha deixou pelo caminho duas brasileiras: Carolina Meligeni Alves e Gabriela Cé. Agora enfrentará Teliana pela terceira vez no circuito profissional. A brasileira venceu o primeiro confronto, ainda em 2011. E abandonou o confronto com a alemã em Bad Gastein, na semana passada, por conta de dores no joelho direito.

Nesta sexta, Beck fez um duelo marcado por oscilações no saque com Bethanie Mattek-Sands. A alemã cometeu oito duplas faltas e a norte-americana, nove. Assim, a partida contou com 12 quebras de saque, seis para cada tenista. Beck, no entanto, levou a melhor ao obter suas quebras em momentos decisivos da partida.

TELIANA - Enquanto Beck vai disputar sua terceira final, a brasileira brigará por um título pela segunda vez. "É uma sensação incrível, tem sido uma semana maravilhosa, final de WTA é incrível. Jogar no Brasil não tem preço, dar essa alegria para o pessoal que está vindo torcer e ainda mais para o tênis feminino, as pessoas começam a olhar o tênis de outra maneira", comemora Teliana.

Após abandonar em Bad Gastein, na Áustria, a brasileira virou dúvida para a competição brasileira. "Cheguei aqui e nem sabia se iria jogar, mas meu joelho está cada vez melhor", diz a tenista de 27 anos, que já projeta a final do WTA de Florianópolis.

"Amanhã quero fazer um bom jogo para que as pessoas presentes aqui possam desfrutar da partida. Quero fazer de tudo para ganhar, mas ao mesmo tempo não quero criar expectativas. Hoje eu estava um pouco tensa, amanhã devo vou estar também já que é uma final. Quero curtir cada momento, cada batida e vamos ver o que acontece", afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.