Algoz de Nadal, Zeballos ainda celebra feito no Brasil

Horacio Zeballos, argentino de Mar del Plata, nunca teve grandes participações em torneios de alto nível na ATP. Tampouco passou de top 50 do ranking mundial. Mas o tenista de 27 anos já entrou para a história por causa de uma rara estatística: apenas ele, Roger Federer e Novak Djokovic foram capazes de derrotar Rafael Nadal em uma final de um torneio disputado no saibro.

AMANDA ROMANELLI E NATHALIA GARCIA, Agência Estado

14 de fevereiro de 2013 | 10h01

O argentino subiu às nuvens (e 30 posições na lista da ATP, para chegar ao 43.º posto) após derrotar o "rei do saibro" na final do Torneio de Viña del Mar, domingo, no Chile. Impôs uma virada a Nadal e admite: "Acredito que joguei o melhor tênis da minha carreira".

Alguns dias depois, voltou à vida normal. No Brasil Open, ainda não conseguiu pisar na quadra do Ginásio do Ibirapuera - seus dois jogos, de simples e de duplas, foram disputados no Ginásio Mauro Pinheiro, onde estão as quadras auxiliares do torneio.

Zeballos está eliminado da chave de simples, após desistir do jogo contra o chileno Paul Capdeville no terceiro set, por sentir cansaço e náuseas. O argentino teria a oportunidade de enfrentar Nadal outra vez, e no Ibirapuera, na noite de quarta-feira, pelas quartas de final da chave de duplas. Mas o espanhol decidiu se poupar para a estreia de simples, nesta quinta-feira, contra o brasileiro João Souza, e se retirou do torneio junto com David Nalbandian.

Foi-se a chance de duelar, mais uma vez, contra um dos "deuses do tênis", como Zeballos se refere a Nadal. "Ele, Federer, Djokovic e Murray são deuses. Esta é a grande diferença deles para outros jogadores, como eu. Eles fazem tudo bem o tempo todo. Por isso que ganhar de Nadal foi a maior alegria da minha vida", ressaltou.

Ciente de que dificilmente algo parecido voltará a acontecer nas condições atuais, Zeballos mira agora uma maior consistência em seu jogo. "Tenho trabalhado muito a parte mental e a consistência do meu jogo. É fundamental manter a constância o ano todo, que isso vai se refletir no meu ranking."

Zeballos reconhece que as dificuldades físicas de Nadal foram importantes para a zebra de Viña del Mar. "Antes da partida, não achava que tivesse possibilidade de ganhar. Pensava em tirar games dele, depois um set, mas o tempo foi passando... Ele não estava 100% e isso me ajudou um pouquinho, mas em todo tempo eu tive muita vontade de derrotá-lo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.