André Sá terá pela frente Tim Henman

André Sá já está nas quartas-de-final de Wimbledon. O resultado, o melhor de sua carreira, entre os brasileiros, só não supera o de Maria Esther Bueno, que venceu a competição 1959, 1960 e 1964. Sá, 90º do ranking mundial, nesta segunda derrotou o espanhol Feliciano Lopez, 103º, por 6/3, 7/5, 4/6 e 6/3 e se igualou a Gustavo Kuerten no desempenho no All England Club de Londres. Ele disse que se inspirou em Ronaldo e na seleção brasileira para vencer Feliciano. Sá contou que viu as fotos de Ronaldo no Japão, nos jornais londrinos, e afirmou para si mesmo. ?Espero poder ter a mesma expressão que ele no fim do dia.? E está comemorando até agora. ?Me sinto muito feliz e parece incrível ter chegado até aqui e estar fazendo história.? O próximo jogo do brasileiro, provavelmente na quarta-feira, vai atrair muita atenção na capital inglesa. Ele vai enfrentar o inglês Tim Henman, quinto do ranking, que os ingleses gostariam muito que vencesse o título de Wimbledon, o que não acontece há 66 anos. Será a primeira vez que Sá jogará contra Henman no circuito profissional. O brasileiro, tenista do País com bom desempenho em quadras rápidas, tem chance de vencer Henman. O inglês teve de suar a camisa para derrotar o suíço Michel Kratochvil por 7/6 (7-5), 6/7 (2-7), 4/6, 6/3 e 6/2 em mais de quatro horas de partida e uma longa interrupção por causa da chuva. André Sá nunca havia passado da segunda rodada em Wimbledon. Na terceira rodada este ano ele já atraiu boa atenção, ao enfrentar o brasileiro Flavio Saretta. Sua carreira teve outro impulso depois que passou a ser treinado por Marcus Barbosa, o Bocão. Seu melhor ranking foi 79º em 11 setembro de 2000. Agora, depois desse bom desempenho na grama, deve ficar entre os 70 do mundo. É a primeira vez desde 1968, quando o torneio tornou-se aberto, que três sul-americanos ficam entre os oito melhores da competição. E pelo menos um já tem vaga garantida nas semifinais: o vencedor do jogo entre o argentino David Nalbandian e o equatoriano Nicolas Lapentti. Caso Sá ganhe, ficarão dois entre os quatro melhores. Sul-americanos nunca tiveram muita tradição em Wimbledon. Houve um campeão do continente em Wimbledon: segundo a agência de notícias Associated Press foi o peruano Alex Olmedo, em 1959. O problema é que Olmedo aparece nas estatísticas como norte-americano por residir naquele país e ter disputado uma Copa Davis pelos Estados Unidos. Olmedo derrotou o australiano Rod Laver na final. A norte-americana Venus Williams, número 1 do mundo e campeã em 2000 e 2001, completou a 18ª vitória em Wimbledon marcando 6/1 e 6/2 contra a compatriota Lisa Raymond em apenas 47 minutos. Sua próxima adversária, nas quartas-de-final, será a russa Elena Likhovtseva. A irmã de Venus, Serena Williams, número 2 do mundo, também chegou às quartas-de-final derrotando a compatriota Chanda Rubin por duplo 6/3. Sua próxima adversária será Daniela Hantuchova, da Eslováquia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.