Halden Krog/AP
Halden Krog/AP

Aos 39 anos, Federer volta às quadras após mais de 400 dias e descarta aposentadoria

Tenista suíço ficou treze meses sem competir depois de passar por duas cirurgias no joelho direito e participará do torneio de Doha

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2021 | 20h00

Já se passaram mais de 400 dias desde que disputou sua última partida: depois de treze meses sem competir e duas cirurgias no joelho direito, Roger Federer, que fará 40 anos em agosto, retorna em grande estilo no torneio de Doha nesta quarta-feira. O último jogo do suíço foi em 30 de janeiro de 2020, nas semifinais do Aberto da Austrália contra Novak Djokovic. Como ironia do destino, sua volta ao circuito acontece na mesma semana em que o sérvio bateu seu recorde de maior número de semanas como número 1 do mundo (311 para Nole contra 310 do suíço).

Sua última aparição pública em uma quadra de tênis ocorreu em 7 de fevereiro de 2020, em um evento beneficente com Rafael Nadal na Cidade do Cabo, na África do Sul, diante de quase 52 mil pessoas, sem precedentes para uma partida de tênis. Depois, ele foi submetido a duas artroscopias no joelho direito, em fevereiro e maio de 2020.

O suíço de Basileia movimentou uma contagem regressiva nas redes sociais na última semana, enquanto a ATP criou uma hashtag, #RogerReturns, para a ocasião. Em mais de vinte anos de carreira, Federer nunca havia ficado afastado por tanto tempo.

Seu maior hiato foi de seis meses entre julho de 2016 e janeiro de 2017, após uma primeira artroscopia do joelho esquerdo em fevereiro de 2016. Uma aposta bem-sucedida, já que venceu o Aberto da Austrália-2017 e Wimbledon seis meses depois.

Perto dos 40 anos, a pergunta que se faz é como Federer vai se recuperar desta vez. “A aposentadoria nunca foi uma opção. O importante é que eu não sofra e não me machuque. Estou muito feliz por voltar a jogar um torneio, não achei que fosse demorar tanto”, disse.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Aposentadoria nunca foi uma opção. O importante é que eu não sofra e não me machuque
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Roger Federer, tenista

Federer é o número 6 no ranking da ATP. “Tenho certeza de que ele treinou muito e com o tempo, se seu corpo estiver bem, ele voltará a jogar no mais alto nível. Mesmo que esteja um pouco pior fisicamente, apostaria no seu talento contra a maioria dos jogadores", disse o britânico Andy Murray, que sofreu com várias lesões.

O suíço, com vinte títulos de Grand Slam – assim como seu grande rival Nadal – volta com ambição. “Ainda quero conquistar grandes títulos", disse ele em entrevista à rádio suíça SRF no início de fevereiro, afirmando que sua prioridade era Wimbledon, a Olimpíada de Tóquio – em sua galeria de títulos só falta o ouro em simples – e o US Open. E disse também que queria “tentar voltar a jogar no saibro”.

E depois de Doha? Federer está inscrito em Dubai na semana seguinte, mas não em Miami, o primeiro Masters 1000 da temporada, no final do mês. / COM AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.