Reuters
Reuters

Após cirurgias, Federer promete voltar a jogar em Wimbledon em 2021

Suíço se afastou das quadras antes mesmo do início da pandemia para realizar a primeira operação

Redação, Estadão Conteúdo

06 de julho de 2020 | 13h00

Após dar um susto nos fãs e antecipar o cancelamento de sua temporada, Roger Federer afirmou nesta segunda-feira que pretende voltar a competir em Wimbledon em 2021. O tenista suíço, prestes a completar 39 anos, em agosto, definiu que não voltaria a jogar neste ano após ser submetido a duas cirurgias no joelho direito.

"Com certeza, um dos meus objetivos, e por isso estou fazendo reabilitação todos os dias, trabalho duro e me preparo para fazer um bloco de 20 semanas de preparação física ainda neste ano, é que espero voltar a jogar em Wimbledon no ano que vem", disse Federer, em videoconferência de um dos seus patrocinadores.

Federer se afastou das quadras antes mesmo do início da pandemia para realizar a primeira operação. Ele perderia a temporada de saibro na Europa. Em razão da suspensão do circuito, devido à quarentena, o suíço resolveu se submeter a novo procedimento no mesmo joelho para aproveitar o tempo de descanso propiciado pela pandemia.

De um jeito ou de outro, portanto, ele não poderia estar em quadra na grama de Wimbledon neste momento, caso o torneio não tivesse sido cancelado. Pela programação inicial da temporada, o Grand Slam britânico estaria sendo disputado desde a segunda-feira da semana passada.

"Este é um ano muito atípico até agora. Minha última partida foi a exibição contra o Rafa (Nadal), na África do Sul. Joguei o Aberto da Austrália e depois fiz duas cirurgias. Não temos Wimbledon, nem Olimpíada. Temos o coronavírus, o confinamento e a proibição de viajar. É muito."

Federer disse estar curtindo o momento mais próximo da família, mas não deixou de admitir que sente falta do circuito. "Pessoalmente, é muito agradável passar tanto tempo no mesmo lugar. Não sabia o que era isso há 25 anos, mas com certeza sinto falta de Wimbledon e é claro que gostaria de estar lá neste momento."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.