Após encerrar vínculo com Raonic, Moya vira novo técnico de Nadal

Ex-tenista espanhol chegou a ser número 1 do mundo no fim dos anos 90

Estadão Conteúdo

17 de dezembro de 2016 | 12h18

Após encerrar seu vínculo com o canadense Milos Raonic, o espanhol Carlos Moya voltará a sua terra natal para trabalhar com o conterrâneo Rafael Nadal. O anúncio foi feito neste sábado pelo próprio tenista de 30 anos, dono de 14 títulos de Grand Slam. Moya será um dos treinadores de Nadal, ao lado de Toni Nadal, também tio do tenista, e Francis Roig.

"Estou muito feliz por anunciar que Carlos Moya vai se juntar ao meu time imediatamente. Ter alguém como Carlos na equipe é muito especial, porque ele não é apenas um amigo, mas uma pessoa muito importante na minha carreira", declarou Nadal.

O tenista explicou que Moya atuará como treinador e também como integrante da equipe técnica de sua academia, inaugurada há pouco tempo, em Manacor. "Ele estará comigo nos treinos e competições. Ao mesmo tempo, vai atuar na academia trabalhando com Toni e o restante da equipe técnica."

Nadal e Moya são próximos desde o início da carreira do primeiro, em Manacor, na ilha de Mallorca. Por também ser da ilha, mas da cidade de Palma, Moya acompanhou e incentivou o jovem Nadal no começo das suas conquistas que o tornaria um dos maiores tenistas da história. Assim como Nadal, Moya também já foi número 1 do mundo.

Além de líder do ranking, Moya brilhou no circuito profissional ao faturar 11 títulos de nível ATP. Sua maior conquista foi o troféu de Roland Garros em 1998. Como jogador, enfrentou Nadal oito vezes, sofrendo seis derrotas. Moya se aposentou em 2010 e, neste ano, atuou como treinador de Milos Raonic, que fez sua melhor temporada da carreira, com o vice-campeonato de Wimbledon, mas decidiu pelo fim da parceria no mês passado.

"Quando eu soube que Carlos havia interrompido a parceria com Raonic, liguei para ele e desde então vínhamos conversando sobre nossos projetos", disse Toni Nadal. "Carlos sempre foi uma pessoa especial para nós. Rafa sempre teve grande admiração e consideração por ele como jogador, como número 1, e ele sempre por perto para nos ajudar", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.