Christophe Simon / AFP
Christophe Simon / AFP

Após fazer história em Roland Garros, Rafael Nadal quer muito mais na carreira

Tenista espanhol conquistou Grand Slam francês pela 10ª vez

Felipe Rosa Mendes, Estadão Conteúdo

13 de junho de 2017 | 06h34

Era uma tarde de quinta-feira ensolarada em Paris. Faltavam três dias para o início de Roland Garros. Na Philippe Chatrier, Nadal se esfalfava no saibro, derrubando litros de suor. Do outro lado da quadra, Jack Sock observava, às vezes paralisado, as bolas passarem ao seu lado em velocidade. Número 15 do mundo, o norte-americano baixava a cabeça, resignado, quase falando para si e para o público que assistia ao treino: "Sim, Nadal está de volta".

Nas duas semanas seguintes, o espanhol fez seus sete adversários em Roland Garros sentirem o mesmo que Jack Sock. Ele, enfim, levantava a Copa dos Mosqueteiros pela incrível 10.ª vez, marca histórica, nunca antes alcançada por nenhum tenista em qualquer outro Grand Slam.

O grande feito é mais um capítulo de redenção no livro da vida vitoriosa do espanhol. A começar por uma má formação óssea no pé esquerdo, os obstáculos físicos na carreira do tenista foram inúmeros. Houve lesões nos dois joelhos, dores recorrentes nas costas e tendinite.

A cada problema físico, meses de ausência no circuito profissional, seguidos de quedas no ranking, jejum de títulos e previsões catastróficas dos "especialistas". "Nadal já era" e o "Rei do Saibro acabou" foram frases ouvidas repetidamente no circuito em 2009, 2012, 2015 e até 2016.

Mas o empenho nos treinos, a evolução da medicina esportiva e uma disposição incrível fizeram o espanhol acumular seguidos momentos de redenção. "A mente supera a matéria", repetiu Rafael Nadal quase como um mantra, em sua autobiografia Rafa, Minha História, escrita em parceria com o britânico John Carlin.

A invejável força mental vem acompanhada de incomum postura modesta para quem agora é dono de 15 títulos de Grand Slam - só está atrás dos 18 do suíço Roger Federer. Seja na biografia ou em cada entrevista, o Rei do Saibro cita a humildade como mola propulsora da sua constante evolução em quadra.

Não por acaso, costuma terminar suas frases com um "não é?", como se buscasse confirmação para o que diz. Ou como se não quisesse tratar sua opinião como fato inquestionável. A expressão já virou sua marca pessoal nas coletivas e até brincadeira dos fãs nas redes sociais.

Com esta disposição de quem quer sempre aprender, Rafael Nadal vem se adaptando à nova fase da carreira. Aos 31 anos, deve seguir os caminhos de Roger Federer e escolher melhor os torneios que vai disputar, visando prolongar a trajetória no tênis profissional. Em Roland Garros, ele revelou, por exemplo, que quase não corre mais. "Prefiro pedalar para preservar meus joelhos e os pés".

"Rafa tem potencial para ganhar Roland Garros umas 15 vezes", disse o ex-tenista brasileiro Gustavo Kuerten, outro especialista no saibro. "Do jeito que está jogando, dá para prever que vai ganhar aqui mais umas três ou quatro vezes pelo menos. Acho que nunca mais vamos ver outro cara como ele".

Se depender de Rafael Nadal, os fãs não precisarão esperar por "outro cara" nos próximos anos. "Me sinto uma pessoa de muita sorte por fazer o que eu faço. Não me canso dos torneios. Sempre me sinto empolgado por jogar e por ter a chance de, aos 31, ainda estar por aqui no circuito", avisou o espanhol.

Tudo o que sabemos sobre:
tênisRoland GarrosRafael Nadal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.