Paulo Whitaker / Reuters
Paulo Whitaker / Reuters

Após fim de suspensão, Bellucci ganha convite para chave principal do Rio Open

Antes, número 2 do Brasil viaja a Equador para torneio de Quito, onde será cabeça de chave

Estadão Conteúdo

01 de fevereiro de 2018 | 12h54

Um dia depois de terminar de cumprir uma suspensão de cinco meses, Thomaz Bellucci iniciou esta sua fase inicial de retorno às quadras com uma boa notícia. O tenista recebeu um convite para integrar de forma direta a chave principal do Rio Open, ATP 500 que será realizado em quadras de saibro entre os próximos dias 19 e 25, no Jockey Club Brasileiro, palco do maior torneio de tênis da América do Sul na atualidade.

+ Sem parceiro definido, Marcelo Melo confirma presença no Rio Open

+ Duplistas brasileiros aprovam quadra rápida de duelo contra dominicanos na Davis

Bellucci foi punido após ser reprovado em um exame antidoping, em caso revelado apenas no final do ano passado. Ele testou positivo para a substância hidroclorotiazida em exame antidoping realizado no dia 18 de julho, quando disputava o ATP 250 de Bastad, na Suécia, onde foi eliminado na estreia.

A substância encontrada no teste é proibida pela Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês), mas o brasileiro escapou de levar uma suspensão maior após alegar que ingeriu de forma não intencional um multivitamínico com contaminação cruzada. Ele enviou frascos deste produto para análise em laboratórios dos Estados Unidos e Canadá, que comprovaram a contaminação em diversos frascos. Para completar, fez exames de urina e cabelo, voluntariamente, para tentar provar a sua inocência.

A Federação Internacional de Tênis (ITF, na sigla em inglês), porém, considerou que o paulista de Tietê teve a sua parcela de culpa no episódio e aplicou uma pena branda, sendo que ele corria o risco de levar uma suspensão de até quatro anos, punição máxima para este tipo de caso de doping.

Bellucci, que se manteve em silêncio após ser comunicado pela ITF sobre o caso, começou a cumprir a pena no dia 1ª de setembro de 2017 e a mesma terminou na última quarta-feira (dia 31 de janeiro). Na maior parte deste período, ele ficou afastado do circuito profissional sob a justificativa de que estava se recuperando de lesão.

E o atual 107º colocado do ranking da ATP e número 2 do Brasil embarca nesta quinta-feira da Flórida, nos Estados Unidos (onde mora atualmente), para o Equador, onde fará o seu retorno às quadras na próxima semana, no Torneio de Quito. Quarto cabeça de chave do ATP 250 equatoriano realizado em quadras de saibro, ele estreará direto na segunda rodada da competição.

"Estou com uma expectativa grande e com muita vontade de voltar jogando bem. São torneios que eu costumo jogar bem e onde consigo bons resultados. Isso pra mim é importante, especialmente depois de vários meses fora. Pelo que treinamos posso fazer bons resultados", afirmou Bellucci, que espera superar a falta de ritmo de jogo, devido ao longo tempo sem disputar torneios, com uma vitória na estreia que poderá lhe dar embalo para a continuidade da competição.

"Nas últimas semanas focamos muito na parte física, de forma bem intensa. Nos cinco meses que fiquei sem competir (desde o US Open), como tive que cuidar da minha defesa, treinei de maneira intermitente. Nos últimos dias, aqui nos Estados Unidos, jogamos muitos pontos para pegar mais ritmo de jogo. Foram quatro semanas bem intensas e acho que vou conseguir chegar bem para Quito. Faz tempo que não jogo uma partida oficial e vou precisar jogar bem a primeira para conseguir entrar em ritmo e avançar no torneio. Estou bem preparado, pronto para essa gira e com muita vontade de voltar a competir", completou o tenista, por meio de sua assessoria.

RIO OPEN

Antes de jogar no Equador, Bellucci também comemorou a vaga que ganhou na chave principal do Rio Open, apenas dois dias depois de ser confirmado como integrante do qualifying da competição. Para completar, ele festejou o seu novo patrocinador, a Angá Asset Management.

"É um voto duplo de confiança, o convite para o Rio Open e o patrocínio da Angá. O meu histórico de dez anos como número 1 do Brasil e o retrospecto no torneio acho que contaram bastante. Só tenho a agradecer ao Lui Carvalho - diretor do Rio Open. Vai ser muito importante, com o meu ranking de hoje, conseguir jogar um ATP 500 direto na chave. E voltar com um novo patrocínio, neste momento de recomeço, o da Angá, ao lado da Claro e da Wilson, me dá ainda mais confiança", destacou o brasileiro, que vinha treinando na Flórida ao lado do seu novo técnico, André Sá, com quem também jogará em chaves de duplas nos próximos torneios.

Antes de disputar o Rio Open, Bellucci tem prevista em seu calendário a participação no ATP 250 de Buenos Aires, que começa no dia 12, na Argentina. E, logo depois do Rio Open, possui em sua programação o Brasil Open, este um ATP 250 que começará no dia 26, em São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
tênisThomaz Bellucci

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.