Marcello Zambrana/Inovafoto
Marcello Zambrana/Inovafoto

Após mudanças, Brasil Open ganha elogios de presidente da ATP

Chris Kermode ficou satisfeito com as melhorias implementadas no Ibirapuera, em São Paulo

AE, Agência Estado

24 de fevereiro de 2014 | 18h00

SÃO PAULO - Após receber diversas críticas no ano passado, a direção do Brasil Open ouviu elogios do presidente da ATP, Chris Kermode, nesta segunda-feira. O dirigente ficou satisfeito com as mudanças implementadas na competição, que está sendo disputada nesta semana, em São Paulo.

O torneio, de nível ATP 250, foi algo de críticas por parte de jogadores e torcedores em 2013. Atletas reclamaram do piso irregular e de goteiras, que chegaram a interditar uma das quadras montadas no Ginásio Mauro Pinheiro.

A qualidade da bolinha também havia sido questionada - teve críticas até do espanhol Rafael Nadal, favorito que acabou confirmando o título. Aos torcedores coube a reclamação de que não havia assentos marcados na decisão, o que atrapalhou a entrada dos fãs do esporte no Ginásio do Ibirapuera.

Depois das críticas, a organização do Brasil Open promoveu diversas mudanças, a começar pela troca do diretor Roberto Burigo por Paulo Pereira. As quadras do Mauro Pinheiro foram substituídas por um miniestádio coberto e climatizado. As bolinhas foram trocadas e os ingressos passaram a ser numerados.

"Desde que cheguei o Gayle Bradshaw (vice-presidente executivo de regras e competição da ATP) me contou que todos os problemas tinham sido resolvidos, que haviam feito um trabalho incrível e me falou de uma maneira muito positiva. E eu fiquei impressionado pela disposição que todos têm mostrado, muito proativos. Os jogadores estão incrivelmente felizes", afirmou Chris Kermode, após visita à estrutura do Brasil Open.

FUTURO

O presidente da ATP disse ainda que existe a possibilidade de trocar a data do Brasil Open com o Torneio de Buenos Aires, de mesmo nível, a partir da temporada 2015. Atualmente, a competição argentina tem início duas semanas antes do evento brasileiro.

"A ATP é uma organização 50% dos jogadores e 50% dos torneios. Nós temos que ouvir opiniões dos dois lados, além da mídia, dos fãs e dos patrocinadores, para chegar à decisão certa. É difícil porque os dois torneios são ótimos e os dois mercados também são ótimos".

Questionado sobre as chances de o Brasil sediar o ATP Finals em um futuro próximo, Kermode descartou a possibilidade. E evitou apontar uma eventual data futura. O torneio, que é antiga ambição brasileira, reúne os oito melhores tenistas de simples e duplas da temporada. Atualmente a disputa é realizada em Londres.

Tudo o que sabemos sobre:
tênisBrasil OpenATP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.