Christof Stache/AFP
Christof Stache/AFP

Após passar pelo quali, Thiago Monteiro encara sérvio na estreia em Roland Garros

Brasileiro enfrenta Dusan Lajovic, cabeça de chave 30 e finalista do Masters 1000 de Montecarlo no mês passado

Redação, Estadão Conteúdo

24 de maio de 2019 | 15h14

Poucas horas depois de garantir a sua classificação à chave principal de simples de Roland Garros, o segundo Grand Slam da temporada, o tenista brasileiro Thiago Monteiro conheceu nesta sexta-feira, após vencer pela terceira rodada do qualifying, o adversário de estreia na competição que é realizada em quadras de saibro em Paris. Após sorteio realizado pela organização, o número 1 do País e 113 do mundo terá pela frente o sérvio Dusan Lajovic, cabeça de chave 30 e finalista do Masters 1000 de Montecarlo no mês passado.

Monteiro e Lajovic já se enfrentaram em outras duas ocasiões no circuito profissional. No confronto mais recente, em 2017, o brasileiro venceu no ATP 250 de Bastad, disputado em quadras de saibro na Suécia, por 6/3 e desistência. No ano anterior, vitória do sérvio por 6/3 e 6/4 pelo Challenger de Los Cabos, no México, em quadras rápidas.

"Estou bem preparado. Venho de uma sequência de três vitórias, o que é muito bom, e preciso ajustar os detalhes necessários para jogar contra o Lajovic. A gente se enfrentou, ele vem de um ano bom, sei que vai ser um jogo longo e duro. Então vou me focar neste desafio e me preparar para ter um resultado positivo", disse Monteiro.

A chave de simples em Roland Garros começará a ser disputada neste domingo, mas a organização ainda não definiu a programação de jogos. Nesta sexta-feira, o brasileiro venceu com facilidade o austríaco Lucas Miedler (6/2 e 6/4) para passar pelo qualifying. Será a segunda vez de Monteiro no Grand Slam parisiense - em 2017, entrou direto e caiu na segunda rodada para o francês Gael Monfils.

"É uma sensação muito boa de passar o quali pela primeira vez de um Roland Garros. Estou muito feliz. Tenho jogado bem e melhorado a cada dia. Hoje (sexta-feira) apesar de ter sido um resultado em dois sets, teve momentos do jogo mais tenso, mas me mantive sempre positivo e muito bem mentalmente porque tecnicamente eu estava me sentindo bem desde o começo da partida," analisou o cearense. "No fim, o que fez a diferença foi que fui mais consistente e o fato de estar me sentindo mais forte e experiente nesses torneios".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.