Após vitória, Del Potro diz que vive seu melhor momento

O argentino Juan Martín Del Potro impressionou neste domingo pela vitória fácil sobre o espanhol Rafael Nadal, com um triplo 6/2, que o credenciou para disputar a final do US Open. O resultado foi tão expressivo que significou a pior derrota de Nadal em Grand Slams. De quebra, Del Potro ainda se classificou para a sua primeira decisão de um torneio deste porte.

AE-AP, Agencia Estado

13 de setembro de 2009 | 17h21

Após o triunfo, o número 6 do mundo não escondeu a empolgação. "Acho que é o melhor momento da minha vida", disse, ainda custando a acreditar que eliminou o ex-líder do ranking mundial. "[O US Open] é o meu torneio favorito. Mesmo assim não consigo acreditar", continuou Del Potro, que espera agora o vencedor do confronto entre o suíço Roger Federer e o sérvio Novak Djokovic.

Para fazer a Argentina voltar a ser representada na final do US Open após mais de 30 anos - o último argentino a decidir o Grand Slam nova-iorquino foi Guillermo Vilas, em 1977 -, Del Potro acha que a concentração foi fundamental. "Estive muito concentrado em cada momento", explicou. "Sabia que o Rafa é um jogador que não se rende e pode correr cinco, seis horas", lembrou Del Potro.

A vitória surpreendente de Del Potro encerrou as chances de uma final entre Nadal e Federer, que seria a primeira pelo US Open e a oitava em Grand Slams. Por este motivo, o argentino chegou a pedir desculpas para a plateia em Nova York. "Me desculpem", disse. "Mas amanhã [segunda-feira] vou lutar até o último ponto por vocês, por todo mundo, para mostrar um bom tênis."

Já Nadal preferiu reconhecer o triunfo merecido do argentino. "Apenas tenho que parabenizá-lo", afirmou o espanhol, atual número 3 do mundo, e que foi atrapalhado no US Open por uma contusão abdominal, que prejudicava principalmente o seu saque. Ao final do jogo, ele lamentou a lesão, mas se disse "contente" pelo desempenho no Grand Slam norte-americano.

Tudo o que sabemos sobre:
tênisUS OpenJuan Martín Del Potro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.