Argentinos criticam escolha de sede para final da Davis

Principais jogadores do país afirmam que opção por Mar del Plata não foi inteligente do ponto de vista esportivo

Agencia Estado

15 de outubro de 2008 | 19h33

Os dois principais tenistas argentinos, David Nalbandian e Juan Martin del Potro, criticaram nesta quarta-feira a escolha da cidade de Mar del Plata como sede da final da Copa Davis. O anúncio foi feito na sexta-feira, pela Federação Internacional de Tênis (ITF), contrariando a preferência dos jogadores por Córdoba."A decisão não foi inteligente do ponto de vista esportivo. Demos uma vantagem para a Espanha", disse Nalbandian, sétimo colocado no ranking mundial. Nascido e criado em Córdoba, ele defende que a cidade causaria mais dificuldades para os rivais, devido à altitude de cerca de 600 metros em relação ao nível do mar. "Acho que seríamos beneficiados se jogássemos na altitude. Parece que não significa muito, mas muda a velocidade da bola, que também quica mais, e exige maior cuidado dos jogadores", explicou Nalbandian. A intenção é uma só: criar dificuldades para Rafael Nadal, número 1 do mundo e praticamente imbatível em quadras lentas.Juan Martin del Potro, que tem se destacado em quadras rápidas no circuito mundial, também manifestou-se contrário à escolha de Mar del Plata. "É lógico que eu gostaria de jogar em Córdoba. Mas quem decide essas coisas são os especialistas, não eu."A disputa entre Mar del Plata e Córdoba começou quando os jogadores e o capitão da equipe argentina na Davis, Alberto Mancini, descartaram a hipótese de jogar contra a Espanha no Parque Roca, que tem quadras de saibro. Surgiu, então, a idéia de atuar no carpete coberto, piso em que os espanhóis não têm a mesma facilidade da terra batida.O confronto final da Copa Davis, o primeira da história na América do Sul, será disputado entre os dias 21 e 23 de novembro, em uma série melhor-de-cinco, com quatro partidas de simples e uma de duplas.

Tudo o que sabemos sobre:
tênisCopa DavisDavid Nalbandian

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.