Geoff Burke/USA Today Sports - 31/07/2014
Geoff Burke/USA Today Sports - 31/07/2014

ATP encerra investigação sobre desistência de tunisiano

Malek Jaziri estava sob suspeição de ter abandonado o duelo para evitar confronto com adversário israelense por pressão da federação

Estadão Conteúdo

10 de fevereiro de 2015 | 15h33

A Associação dos Tenistas Profissionais (ATP) encerrou nesta terça-feira a investigação sobre a polêmica desistência do tunisiano Malek Jaziri durante partida do ATP 250 de Montepellier, na França, na semana passada.

Naquele torneio, Jaziri alegou dores no cotovelo para abandonar a partida contra o usbeque Denis Istomin logo na primeira rodada. O tunisiano vencera o set inicial por 6/3 antes de abandonar o duelo. A polêmica surgiu porque, se Jaziri tivesse confirmado a vitória, teria que enfrentar um tenista de Israel, Dudi Sela, na rodada seguinte.

Um confronto com um rival daquele país gerou polêmica e até rendeu uma punição à Federação Tunisiana de Tênis em 2013. Naquele ano, a entidade ordenara que Jaziri desistisse de uma partida, durante challenger disputado no Usbequistão, porque, em caso de vitória, teria pela frente um adversário israelense. Punida, a Tunísia foi proibida de disputar a Copa Davis no ano passado.

Por lembrar aquele episódio, a desistência de Jaziri em Montpellier levantou suspeitas e a ATP teve que reavaliar o caso. A entidade, contudo, descartou qualquer punição ao tenista. Em nota enviada à agência AP, a Associação dos Tenistas aceitou a justificativa de Jaziri, que alegou problemas físicos para deixar a competição. 

"A ATP está completamente satisfeita com a legitimidade das razões apresentadas pelo jogador para deixar a partida, em função de uma lesão no cotovelo. Por esta razão, este assunto está encerrado", afirmou a entidade.

Tudo o que sabemos sobre:
tênisATPMalek Jaziri

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.